Escolha as suas informações

Feijoada à Brasileira
Sociedade 2 3 min. 13.06.2022
Gastronomia

Feijoada à Brasileira

Gastronomia

Feijoada à Brasileira

Foto: António Pires
Sociedade 2 3 min. 13.06.2022
Gastronomia

Feijoada à Brasileira

Ricardo J. RODRIGUES
Ricardo J. RODRIGUES
No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de vários países lusófonos. O segundo país é o Brasil.

Feijoada à Brasileira

Dona Chouchou anda numa roda viva. Na verdade chama-se Luciana Moreno, e na verdade numa vida antes desta foi jornalista em São Paulo. Até que o acaso a trouxe para uma cozinha nas Rîves de Clausen. Aconteceu há 19 anos. Pediram-lhe que escrevesse do que sabia – festas até altas horas e figuras boémias da noite. "O meu ofício no Brasil era falar disso. Mas depois cheguei aqui e percebi que não havia nada daquilo que eu entendia, nem noite nem famosos. Ou se calhar era eu que não os conhecia. Mas uma paixão eu tinha: cozinhar. E foi isso que decidi fazer da minha vida."

Foi a primeira chef de cozinha do Maria Bonita, restaurante brasileiro na Ville Basse. "Antes disso trabalhei em cafés portugueses e cabo-verdianos, abri e fechei espaços, aprendi gastronomia. Sempre senti que a comida era o ponto de encontro da comunidade lusófona, independentemente da origem das pessoas", opina. Hoje, diz ela, mais de metade da clientela fala a língua de Camões, e vem gente da Europa e de África, do Extremo Oriente e da América do Sul.

"Há uma certa dança entre os povos que falam português, um gosto por conversar, dançar, fazer uma festa de um almoço ou um jantar."

A feijoada de Dona Chouchou é servida no Maria Bonita, mas para ela é toda uma tese de antropologia. "Veio a couve dos portugueses, veio o feijão de Áfica, as partes menos nobres da carne dos mais pobres, veio o tacho na fogueira dos escravos. Dificilmente haverá algo como a comida para definir a diversidade do Brasil. E dos povos que falam português. Mas também é aqui que se une toda a lusofonia." A cozinheira aconselha caipirinha para o começo da conversa. E tem toda a razão. A partir do primeiro gole, não há como não ser (pelo menos um bocadinho) brasileiro.

Feijoada à Maria Bonita (para 12 pessoas)

Ingredientes:

  • 400 gramas de carne seca
  • 400 gramas de costela de porco fumada
  • 1 pé de porco salgado
  • 2 rabos de porco salgados
  • 200 gramas de orelha de porco salgada
  • 300 gramas de lombo de porco salgado
  • 2 paios (ou linguiça fumada)
  • 250 gramas de linguiça de porco grossa
  • 200 gramas de carne de boi fumada
  • 100 gramas de bacon
  • 1,5 quilos de feijão-preto seco
  • 6 folhas de louro
  • 400 gramas de cebola picada
  • 200 gramas de alho picado 
  • 1 chávena de óleo
  • 1 limão
  • 12 laranjas
  • 12 doses de cachaça

Preparação:

Limpam-se as carnes salgadas tirando gorduras, nervos e pelos, e colocando-as de molho em água por 24 horas. Troca-se a água três a quatro vezes durante este período. Põe-se o feijão 6 horas de molho. Fervem-se as carnes salgadas inteiras durante 20 minutos, em lume forte. 

Fervem-se o pé e os rabinhos separadamente, colocando o limão, cortado em quatro, na água da fervura. Coloca-se o feijão a cozer, junto com as folhas de louro e duas laranjas, com casca, cortadas em metades. Quando começar a ferver, vá acrescentando as carnes na seguinte ordem: carne seca, pé e orelha. 

Meia hora depois coloque os rabos de porco e a costela, e após meia hora, coloque o lombo, a linguíça, o paio e o bacon, cuidando para tirar e deitar fora, durante toda a cozedura, a gordura que for subindo à superfície. Vá acrescentando água quente sempre que necessário, tendo o cuidado de manter as carnes sempre cobertas pelo caldo. Quando os grãos estiverem macios, retire as metades das laranjas.


A moamba de Angola
No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de Angola e do Brasil, de Cabo Verde e da Guiné-Bissau, de Moçambique, de Portugal e de São Tomé e Príncipe. Trazemos-lhes as receitas. E as histórias à volta da panela.

Faça um refogado com óleo, cebola e alho e coloque na panela. Deixe cozer duas horas e vá retirando as carnes que estão macias, para que as outras possam chegar ao ponto. Retire duas conchas cheias de feijão e amasse com o garfo até obter uma pasta. Misture com a feijoada e baixe o fogo. Quando todas as carnes e o feijão estiverem no ponto, retire e corte as carnes em pedaços pequenos para servir, voltando para a panela com o feijão e deixe cozer por mais 10 a 15 minutos em lume brando. 

Prepare um arroz branco, a couve e a farofa e fatie as restantes laranjas sem casca. Faça um caldinho usando 12 doses de cachaça e 6 conchas do caldo coado da feijoada, para aperitivo. Está pronto.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de Angola e do Brasil, de Cabo Verde e da Guiné-Bissau, de Moçambique, de Portugal e de São Tomé e Príncipe. Trazemos-lhes as receitas. E as histórias à volta da panela.