Escolha as suas informações

Cachupa de Cabo Verde
Sociedade 2 2 min. 14.06.2022
Gastronomia

Cachupa de Cabo Verde

Gastronomia

Cachupa de Cabo Verde

Foto: António Pires
Sociedade 2 2 min. 14.06.2022
Gastronomia

Cachupa de Cabo Verde

Ricardo J. RODRIGUES
Ricardo J. RODRIGUES
No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de vários países lusófonos. Aprenda a fazer um dos pratos típicos de Cabo Verde.

Cachupa de Cabo Verde

Luís Carvalho tem uma teoria sobre a cachupa. Não só cada ilha apresenta a sua versão, como cada família desenvolveu um pormenor que torna tudo diferente. "Sei que te vou dar esta receita e vai vir alguém a dizer que se devia antes fazer assim ou assado. Mas esta é aquela que eu aprendi a fazer com a minha mãe, e quando aprendes uma receita com a tua mãe ninguém te pode dizer que estás errado", argumenta.

Luís é o mais velho de oito irmãos. Tinha oito anos quando saiu da ilha de Santiago e 20 quando se fez ao Luxemburgo, mas foi nas voltas do tacho da mãe que descobriu a verdadeira vocação. "Uma criança cabo-verdiana não come papa nem sopa, come o caldo da chachupa e foi assim que eu cresci", admite. Nos primeiros anos não sonhava com uma vida no fogão, mas jovem adulto percebeu que era no tempero que se conseguia superar. "Trabalhei nas obras, em oficinas, tentei muitas profissões. Mas um dia entrei numa copa e nunca mais saí."

Em 1986, arranjou contrato de cozinheiro nas instituições europeias. O chef viu-lhe talento e motivou-o a cursar gastronomia, curso que cumpriu no Liceu Técnico de Bonnevoie a desoras. "E aprendi a comida internacional toda, mas fiquei sempre com um bichinho de valorizar as tradições do meu país, da minha cultura.", diz. Há 12 anos abriu o Métissage, em Bonnevoie. 

No meio da pandemia estreou-se com o Morabeza, no Wallis, porque queria acrescentar música e dança ao prato. Cachupa e morna são duas faces da mesma moeda. E Luís, quando cozinha, está sempre a rir. Não há lugar onde seja mais feliz do que à volta do tacho. Numa manhã de sábado, ei-lo a acordar cedo para juntar o milho à carne. “Isto é Cabo Verde”, anuncia antes de misturar tudo. Pode ter aprendido mil e uma receitas na escola, mas esta é a cachupa materna. E essa nunca está errada.

Cachupa à Métissage (para 10 pessoas):

Ingredientes:

  • 250 gramas de milho seco
  • 250 gramas de feijão branco seco
  • 150 gramas de feijão vermelho seco
  • 3 quilos de carne de porco limpa (para guisar)
  • 1 orelha de porco
  • 1 pé de porco
  • 2 tiras de entremeada
  • 1 chouriço
  • 4 cenouras
  • 1 couve lombarda
  • 4 cebolas
  • 1 cabeça de alho
  • 4 folhas de louro
  • Azeite
  • Banha de porco
  • Sal e vinagre a gosto

Preparação:

Numa panela de 10 litros, coze-se o milho durante uma hora, sem temperos. Num tacho à parte, coze-se o feijão durante meia hora. Limpam-se as carnes previamente salgadas e levam-se ao lume num refogado de azeite, banha de porco, cebola, alho, tomate e louro. Quando a carne estiver dourada junta-se o vinagre, deixa-se evaporar e cobrem-se as carnes com água. Deixa-se cozer durante 40 minutos. 

Na panela grande, junta-se ao milho o feijão escorrido, a carne, a cenoura em rodelas e as folhas de couve. Retifica-se o sal e deixa-se cozer mais 20 minutos. No final de tudo, faz-se novo refogado com azeite, 2 cebolas e 1 tomate e acrescenta-se antes de servir.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de vários países lusófonos. O segundo país é o Brasil.
No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de Angola e do Brasil, de Cabo Verde e da Guiné-Bissau, de Moçambique, de Portugal e de São Tomé e Príncipe. Trazemos-lhes as receitas. E as histórias à volta da panela.