Escolha as suas informações

O tabaco também está a envenenar o planeta
Sociedade 3 min. 31.05.2022
Ambiente

O tabaco também está a envenenar o planeta

Uma mulher coloca tabuleiros de tabaco a secar, em Sumedan, na Indonésia. Conhecida como a Aldeia do Tabaco, é comum ver-se grandes quantidades desta matéria-prima a secar ao sol, enchendo as ruas, telhados e terraços das casas da aldeia.
Ambiente

O tabaco também está a envenenar o planeta

Uma mulher coloca tabuleiros de tabaco a secar, em Sumedan, na Indonésia. Conhecida como a Aldeia do Tabaco, é comum ver-se grandes quantidades desta matéria-prima a secar ao sol, enchendo as ruas, telhados e terraços das casas da aldeia.
Foto: Algi Febri Sugita/ZUMA Press Wire/dpa
Sociedade 3 min. 31.05.2022
Ambiente

O tabaco também está a envenenar o planeta

Telma MIGUEL
Telma MIGUEL
O cultivo de tabaco está onde deveria estar a comida para as populações pobres, alerta a Organização Mundial de Saúde.

O impacto em vidas humanas é conhecido: oito milhões de mortes por ano. Mas a indústria tabaqueira tem também uma pegada ambiental gigante, equivalente a um quinto de toda a aviação comercial, revela estudo Organização Mundial de Saúde. Mais um motivo para se fumar o último cigarro.

No Dia Mundial Sem Tabaco, celebrado esta terça-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou um relatório sobre os custos da indústria tabaqueira para as pessoas e para o planeta. "Todos os anos a indústria do tabaco causa a morte de 8 milhões de pessoas a perda de 600 milhões de árvores, 200 mil hectares de terra, 22 mil milhões de toneladas de água e 84 milhões de toneladas de CO2", refere o comunicado desta organização.

Cultivo de tabaco em vez de comida para populações pobres

É o lado negro dos cigarros, avaliado não só sobre o já mais que conhecido impacto sobre a saúde humana – conhecido desde os anos 60, com um relatório do Surgeon General nos Estados Unidos. Agora, a OMS alerta como o ciclo do cultivo e do consumo estão a devastar o planeta. O mal começa logo na origem. A maior parte das plantações de tabaco está nos países mais pobres, onde a água e a terra arável estão muitas vezes desesperadamente em falta para produzir alimento para a região. 


"Alarmante". Não havia tantos fumadores no Luxemburgo desde 2004
O maior número de fumadores está no intervalo entre os 18 e os 34 anos.

"Mas, em vez disso, estão a ser usadas para cultivar plantas de tabaco mortíferas, enquanto cada vez mais florestas são derrubadas para criar terra agrícola", refere o estudo. Os números da OMS são chocantes e trazem uma nova imagem à mente. O tabaco não mata só quem fuma, ou os fumadores passivos, mas também é devastador para o ambiente, com impactos duradouros. No relatório "Tabaco: A envenenar o nosso planeta", refere-se que a pegada ambiental da produção, processamento e transporte do tabaco e os seus produtos é equivalente a um quinto de todo o CO2 produzido pela aviação comercial, sendo assim um causador importante do aquecimento global.

4,5 biliões de beatas a verterem tóxicos em todo o lado

Além disso, não é surpreendente que o diretor da Promoção da Saúde desta organização, Ruediger Krech, tenha dito que os produtos de tabaco sejam os artigos que produzem mais lixo "contendo mais de 7 mil químicos tóxicos, que vertem para o ambiente quando são descartados. Todos os anos, cerca de 4.5 biliões de beatas de cigarros poluem os nossos oceanos, rios, passeios urbanos, solo e praias".

As novas formas de consumo de tabaco, como os cigarros eletrónicos, também não estão isentas de culpa. No total, os filtros de cigarros são a segunda maior fonte de poluição de plástico no mundo. E apesar do marketing da indústria, alerta a OMS, não há evidência de que os filtros tenham benefícios para a saúde.


O que acontece ao corpo após deixar de fumar
Deixar de fumar tem efeitos benéficos quase de imediato

O paradoxo demonstrado pela OMS  com um levantamento dos custos da limpeza de beatas de cigarro e diversos é que quem paga a fatura dos malefícios do tabaco no ambiente não é a indústria, mas os contribuintes. Esses custos são avaliados em termos mundiais em muitos biliões de dólares. Países como França e Espanha e cidades como São Francisco, nos EUA, refere o comunicado da OMS, já tomaram uma posição seguindo o princípio de que "quem polui paga", fazendo com que a indústria do tabaco se responsabilize pela recolha do lixo que causa. A OMS pede aos outros países e cidades que sigam o exemplo.

Outra ideia, para dar uma machadada grande na indústria do tabaco, é a de os países adotarem políticas para apoiar os agricultores a fazerem a transição para culturas sustentáveis, implementar taxas mais penalizadoras ao tabaco, incluindo taxas ambientais, e oferecer mais apoio a fumadores a abandonar o vício. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas