Escolha as suas informações

OMS. Dados apontam para que Omicron seja mais benigna mas mais transmissível
Sociedade 12.12.2021 Do nosso arquivo online
Pandemia

OMS. Dados apontam para que Omicron seja mais benigna mas mais transmissível

Pandemia

OMS. Dados apontam para que Omicron seja mais benigna mas mais transmissível

Foto: Chris Karaba
Sociedade 12.12.2021 Do nosso arquivo online
Pandemia

OMS. Dados apontam para que Omicron seja mais benigna mas mais transmissível

Lusa
Lusa
A Organização Mundial de Saúde sublinha, no entanto, que as conclusões assentam ainda em dados muito parciais.

A variante Omicron do novo coronavírus que causa a covid-19 parece ser mais transmissível do que a variante Delta, provocar sintomas mais leves e tornar as vacinas menos eficazes, disse hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A OMS sublinha, no entanto, que as conclusões assentam ainda em dados muito parciais.


A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas
Graça Freitas. "Omicron não será mais grave do que as outras variantes"
Portugal tem agora 38 casos confirmados da nova variante do coronavírus.

A variante Omicron está já presente em 63 países, explicou a OMS num ponto de situação feito hoje, citado pela AFP.

Segundo a agência da ONU, a variante Omicron parece propagar-se mais rapidamente do que a variante Delta, que continua a ser predominante nas novas infeções no mundo.

A transmissão mais rápida foi constatada não apenas na África do Sul, onde a variante Delta não é tão prevalente, mas igualmente no Reino Unido, onde essa é a variante dominante.

A OMS ainda não sabe, por falta de dados, se a taxa de transmissibilidade elevada em populações fortemente imunizadas advém do facto de a Omicron "escapar à imunidade, beneficiar de uma transmissibilidade mais elevada inerente ou se decorre de uma combinação dos dois fatores".

A organização admite como provável que a Omicron venha a ultrapassar a Delta onde exista transmissão comunitária.


OMS. Vacinas protegem de formas graves da covid-19 "até seis meses"
A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou esta quinta-feira que a proteção contra formas graves de covid-19 conferida pelas vacinas dura "até seis meses" depois da segunda dose ou da dose única no caso da vacina Janssen.

Os dados são ainda insuficientes até para determinar a gravidade da doença provocada pela nova variante, ainda que por agora os sintomas pareçam ser "ligeiros a moderados", tanto na África Austral, onde a Omicron foi inicialmente detetada, como na Europa.

Quanto às vacinas antiv-covid-19, os poucos dados disponíveis, assim como o perfil genético da variante Omicron, deixam antever "uma baixa de eficácia" no que diz respeito contra a infeção e a transmissão.

Vários laboratórios farmacêuticos anunciaram já estar a trabalhar numa alteração das vacinas por forma a abranger de forma mais eficaz a nova variante.

A covid-19 provocou pelo menos 5.300.591 mortes em todo o mundo, entre mais de 269,02 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas