Escolha as suas informações

OGBL condena chegada de lares Orpea ao Luxemburgo
Sociedade 2 min. 10.11.2022
Polémica

OGBL condena chegada de lares Orpea ao Luxemburgo

Polémica

OGBL condena chegada de lares Orpea ao Luxemburgo

Sociedade 2 min. 10.11.2022
Polémica

OGBL condena chegada de lares Orpea ao Luxemburgo

Maria MONTEIRO
Maria MONTEIRO
O maior sindicato luxemburguês considera "incompreensível" a autorização dada ao grupo, envolvido num escândalo de maus-tratos a idosos em França.

A 3 de novembro, o Ministério da Família aprovou oficialmente o projeto da Orpea para se instalar em Merl, apesar do escândalo em que a cadeia de lares tem estado envolvida devido a atos de negligência e maus-tratos a idosos em França — um dos casos terá levado, mesmo, à morte de uma utente.


"Os idosos não são uma mercadoria". França aperta com os lares Orpea
O Governo francês pretende tranquilizar a população com inspeções e propostas para que situações de maus tratos nestes espaços não se repitam. Macron considerou "perturbadores" os relatos do jornalista Victor Castanet que denuncia vários casos de abusos nos lares geridos pelo grupo Orpea.

A OGBL, que já tinha manifestado a sua discórdia face à abertura de um lar do Orpea no Luxemburgo, a par de uma parte da classe política, condenou esta quinta-feira a autorização dada ao grupo francês para se estabelecer no Grão-Ducado. 

"Depois dos escândalos [ligados a maus-tratos] e às dificuldades financeiras do Orpea, a luz verde dada pelo governo é totalmente incompreensível para a OGBL", refere em comunicado.

Sindicato fala em "ausência de critérios de qualidade"

Por um lado, o sindicato refere que a polémica deste ano nos lares franceses "está longe de ser um fenómeno isolado", argumentando que "há várias organizações sindicais a denunciar problemas semelhantes" noutras partes do mundo onde o grupo opera residências para idosos. Para a OGBL, a decisão do Ministério da Família "não tem em conta o destino das vítimas de abuso" e é "simplesmente inaceitável, sobretudo no setor dos cuidados de saúde".

Além de maus-tratos, o sindicato lembra que o grupo está acusado de delitos como "desvio de fundos públicos, fraude, especulação imobiliária, práticas questionáveis na gestão de recursos humanos e desrespeito pelos direitos sindicais dos trabalhadores".

"O sindicato Saúde, Serviços Sociais e Educativos da OGBL lamenta profundamente a ausência de critérios de qualidade sobre a realidade efetiva das atividades de uma empresa sujeita a um processo de acreditação", contesta.


Apesar de escândalo, Orpea deverá obter licença para lar no Luxemburgo
O Ministério da Família deverá comunicar, formalmente, esta semana a sua aprovação provisória para o lar de idosos da Orpea em Merl.

OGBL questiona "garantias" pedidas pela ministra

O sindicato manifesta, ainda, "sérias dúvidas quanto às 'garantias' solicitadas pela ministra da Família, Corinne Cahen (DP), sobre o tratamento que será dado pela Orpea aos funcionários e utentes no Luxemburgo".  

Em entrevista à Paperjam, a ministra da Família tinha dito que pediu "o maior número possível de garantias" ao grupo antes de aprovar o projeto e que avisou os gestores da Orpea que "estarão a ser vigiados".  

A governante garantiu ainda que, como todos os lares no país, o da Orpea terá duas inspeções por ano: uma conduzida pelo Ministério da Família e outra pelo Ministério da Segurança Social.  

Paralelamente, a central acusa o executivo de "não ter em conta a situação financeira do grupo", que no início do mês anunciou a abertura de um procedimento judicial para renegociar uma dívida na ordem dos 9,5 mil milhões de euros. Além disso, o grupo revelou, recentemente, prejuízos estimados entre 2,1 e 2,5 milhões de euros.


O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.