Escolha as suas informações

O último dia de vida de Diana. Revelações exclusivas do namorado
Sociedade 5 min. 19.10.2022
Crime

O último dia de vida de Diana. Revelações exclusivas do namorado

Diana tinha 40 anos e era natural do Porto.
Crime

O último dia de vida de Diana. Revelações exclusivas do namorado

Diana tinha 40 anos e era natural do Porto.
Foto: DR
Sociedade 5 min. 19.10.2022
Crime

O último dia de vida de Diana. Revelações exclusivas do namorado

Tiago RODRIGUES
Tiago RODRIGUES
Namorado de Diana revela, em exclusivo ao Contacto, o que sabe sobre o último dia de vida da portuguesa.

Um mês depois do aparecimento do corpo de Diana Santos, em Mont-Saint-Martin, o mistério em volta deste crime continua a adensar-se. Até ao momento, apenas um suspeito foi detido. Said Banhakeia, marroquino de 48 anos, está em prisão preventiva, acusado de homicídio "com premeditação".


Quem matou Diana? A história por detrás do crime
Um homem foi detido por homicídio premeditado. Mas ainda há muitas perguntas sem resposta. O mistério da morte de Diana Santos continua por resolver.

O sobrinho Gibran, alegado marido da vítima, está desaparecido. As autoridades não confirmam se é também suspeito e se está a ser procurado. Ainda não se sabe quem matou Diana nem porquê. A única certeza é que a portuguesa de 40 anos foi assassinada e desmembrada nas 24 horas anteriores à descoberta do cadáver, no dia 19 de setembro.

É sobre o último dia de vida de Diana que o homem com quem ela namorava na altura fala ao Contacto. Pedindo para não ser identificado, conta que começaram a namorar no dia 1 de agosto, depois de se terem conhecido num café em Pétange. Recorda Diana como uma “pessoa cinco estrelas”, com um “sorriso maravilhoso”, que amava. Passaram muitos dias juntos naquele mês e tinham intenção de viver juntos. A mulher tinha-lhe prometido um quarto para habitar. Contava mudar-se para a casa dela em Diekirch em outubro. Mas viram-se pela última vez no dia 18 de setembro.

Naquele domingo, Diana pediu ao namorado para ir ter com ela a Diekirch. Numa videochamada durante a manhã, o companheiro viu que ela estava em casa com Gibran e outra mulher, que seria a namorada deste. Apesar de estarem alegadamente casados, por conveniência, tanto Diana como o marroquino mantinham outras relações amorosas. A última mensagem que o namorado recebe de Diana, quando estava no comboio, foi às 15h01. Quando lhe ligou, o telemóvel estava desligado.


Portuguesa desmembrada. Casa onde Diana vivia em Diekirch alvo de buscas
Habitantes da zona revelaram ao Contacto que Diana se tinha mudado para Diekirch há pouco tempo e vivia com um homem.

Chega à estação de Diekirch dez minutos depois e dali vai a pé até à casa da companheira. “Ela não apareceu. Vi que o portão das traseiras estava entreaberto. As janelas do andar de baixo estavam todas fechadas, mas as de cima estavam abertas. Se calhar já a tinham matado. Tentei ligar, mas o telemóvel continuava desligado. Fiquei lá cerca de meia hora, mas depois fui embora”, conta. Naquele dia, não teve mais contacto com Diana. Só soube da morte da namorada dias mais tarde e foi chamado à polícia para depor.

Aquela casa tinha sido arrendada pela portuguesa e o alegado marido no final de julho, depois do casamento. Queriam renovar a habitação para depois colocar os vários quartos a arrendar. Depois de o corpo ter sido identificado, a casa foi alvo de buscas e a porta, que tem o nome de ambos, foi selada pela polícia, que não confirmou se aquele poderia ser o local do crime. Desde então, nunca mais ninguém viu Gibran e ninguém sabe do seu paradeiro.

Onde está Gibran Banhakeia?

O que se sabe até agora é que Gibran é sobrinho de Said Banhakeia e o alegado marido de Diana. Segundo os familiares e amigos da vítima, Gibran tem entre 35 e 40 anos e é de nacionalidade marroquina. Terá casado com a portuguesa por conveniência, em troco de uma quantia de dinheiro, para obter documentos de residência.


A casa onde Diana vivia com o alegado marido, em Diekirch, desde julho.
O mistério em volta do alegado marido de Diana
O homem de nacionalidade marroquina, sobrinho do principal suspeito do crime, terá chegado ao Luxemburgo no início deste ano e vivia com Diana numa casa em Diekirch.

O matrimónio terá acontecido no dia 14 de julho, mas o Contacto não obteve a confirmação, através das entidades competentes, de que este casamento aconteceu de facto. 

O Contacto sabe que Gibran estava a tirar um doutoramento na École Doctorale Humanités Nouvelles - Fernand Braudel da Universidade de Lorraine, em Metz - perto da fronteira com o Luxemburgo - desde o ano passado. Fonte da universidade confirmou que o marroquino se registou no ano letivo de 2021/2022, mas não renovou a sua inscrição para o corrente ano.

Quem é o principal suspeito do crime?

Said Banhakeia, de 48 anos e nacionalidade marroquina, é suspeito de estar envolvido no homícidio de Diana Santos. É considerado pelas autoridades o principal suspeito do crime, apurou o Contacto. 


Daniel Baulisch é o advogado de Said Banhakeia, o principal suspeito do homicídio de Diana Santos.
Homicídio de Diana. Advogado do suspeito fala pela primeira vez sobre o caso
Daniel Baulisch é o advogado de Said Banhakeia, o marroquino de 48 anos que foi detido na semana passada por suspeita de envolvimento na morte de Diana Santos.

O homem foi detido no dia 6 de outubro pela polícia judiciária luxemburguesa.  Está atualmente detido preventivamente na penitenciária de Schrassig. É acusado de homicídio "com premeditação".

Ao Contacto, o advogado de Said revela que o marroquino se afirma inocente e que não apontou outros nomes de possíveis suspeitos. Daniel Baulisch reconhece que foram encontrados "indícios suficientes" pela polícia para que Said fosse detido e considerado suspeito do crime. Sobre um possível álibi do homem no dia em que Diana foi assassinada, o advogado afirmou que não podia "revelar detalhes".  

Quem era Diana Santos?

Diana Santos era natural do Porto. Segundo o irmão, Vítor Santos, que falou ao Contacto, vivia no Luxemburgo há "cerca de quatro ou cinco anos".


Diana tinha 40 anos e era natural do Porto.
Melhor amiga de Diana: "Afastei-me quando ela se meteu com más companhias"
Paula diz que Diana estava diferente desde que se envolveu com outro grupo de pessoas: "Já não era a mulher bonita que estávamos habituados a ver".

Esta não era a primeira experiência da portuguesa no estrangeiro. O pai, que também já tinha falado ao Contacto, revela que a filha sempre trabalhou como empregada de mesa e de cozinha.

O Ministério Público luxemburguês confirmou no dia 3 de outubro, em primeira mão ao Contacto, que a vítima era portuguesa e vivia no Grão-Ducado. 

Na sequência desta notícia, o Ministério Público de Nancy, em França, confirmou no dia seguinte que as autoridades luxemburguesas tinham identificado o corpo graças às tatuagens e ao uso do ADN e acrescentou que entregou o caso ao Parquet de Dierkich.

O corpo desmembrado da mulher foi encontrado no dia 19 de setembro por um adolescente de 16 anos atrás de um edifício abandonado, nas imediações da Câmara de Mont-Saint-Martin, no departamento Meurthe-et-Moselle.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas