Escolha as suas informações

O que significa a emergência global de saúde pública
Sociedade 2 min. 30.01.2020 Do nosso arquivo online

O que significa a emergência global de saúde pública

O que significa a emergência global de saúde pública

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 30.01.2020 Do nosso arquivo online

O que significa a emergência global de saúde pública

Declaração da OMS pressupõe a ativação de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial. Países com menos condições para tratamento de possíveis doentes ditaram decisão. Não há restrições a viagens e trocas comerciais.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou esta quinta-feira, em Genebra, emergência de saúde pública global para o coronavírus, que já matou 170 pessoas na China e fez cerca de oito mil infetados em todo o mundo - a esmagadora maioria no país.

A decisão da OMS é conhecida depois de o Comité de Emergência se ter reunido hoje, novamente, para avaliar a situação. Há uma semana a organização considerou prematura a declaração de emergência internacional, mas a rápida propagação do vírus e a facilidade do seu contágio levou a que os especialistas do organismo da ONU voltassem a reunir-se para um novo balanço. 

Do encontro desta quinta-feira saiu a decisão agora conhecida e que pressupõe a ativação de uma série de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.

Para declarar emergência internacional, a OMS considera a existência de três critérios: o facto de se tratar de uma situação extraordinária, o risco de rápida expansão para outros países e a necessidade de resposta internacional coordenada.

Viagens podem continuar, diz OMS

Apesar desta declaração e de várias companhias de transporte internacionais terem suspendido voos para a China e do anúncio de fechos de fronteira, a Organização Mundial de Saúde opõe-se a restrições de viagens.

"A OMS não recomenda a restrição de viagens, as trocas comerciais e os movimentos e opõe-se mesmo a todas as restrições de viagens", afirmou o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em conferência de imprensa, na sede da organização, em Genebra, Suíça, citado pela AFP.

Segundo o responsável, a "grande preocupação", que motivou a decisão de hoje, e que "não é um voto de desconfiança em relação à China", foi "a possibilidade de o vírus se propagar a países onde os sistemas de saúde são mais frágeis", como África, que regista menos casos mas já se encontra numa situação mais vulnerável para os combater.

O esclarecimento da OMS surge numa altura em que várias companhias aéreas, como a British Arways ou a Lufthansa, suspenderam ou reduziram os seus voos para a China devido à propagação do novo coronavírus, que pode causar pneumonia viral.

O comité da organização, que esteve reunido hoje, assinala, em comunicado, que as restrições à circulação de pessoas e bens durante uma emergência de saúde pública internacional podem ser ineficazes, perturbar a distribuição de ajuda e ter "efeitos negativos" na economia dos países atingidos.  

Também a Rússia anunciou hoje a intenção de fechar os mais de quatro mil quilómetros de fronteira com a China e o Cazaquistão ordenou a suspensão de todas as ligações de transporte com o país.



Notícias relacionadas

Covid-19. Mundo devia ter ouvido melhor OMS em janeiro
O diretor-geral da OMS afirmou hoje que o mundo devia ter ouvido melhor quando foi declarada emergência global de saúde em janeiro passado, frisando que os países que seguiram as orientações da organização estão melhor do que os que as ignoraram.