Escolha as suas informações

O que precisa de saber sobre a vacina Janssen
Sociedade 4 min. 12.04.2021 Do nosso arquivo online

O que precisa de saber sobre a vacina Janssen

O que precisa de saber sobre a vacina Janssen

Foto: AFP
Sociedade 4 min. 12.04.2021 Do nosso arquivo online

O que precisa de saber sobre a vacina Janssen

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
O primeiro lote de vacinas da farmacêutica Johnson & Johnson chega esta segunda-feira ao Grão-Ducado.

Desde a toma única ao recente caso de coágulos sanguíneos nos EUA, reunimos as principais informações que tem de saber sobre o fármaco contra a covid-19 que chega a 12 de abril ao Grão-Ducado. 

A vacina Janssen, da farmacêutica americana Johnson & Johnson, junta-se às outras três já administradas no país desde finais de 2020 - a Pfizer/BioNTech, Moderna e AstraZeneca. A primeira remessa de 2.400 doses chega esta segunda-feira, sendo que a segunda entrega - mais 2.400 doses - está prevista chegar ainda no final deste mês. A vacina ainda não está a ser utilizada em nenhum Estado-membro da UE, e a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa), espera que isso aconteça "nas próximas semanas", tal como deverá acontecer no Grão-Ducado.

Toma única

Contrariamente aos outros três antídotos administrados no país a Janssen é de toma única, uma vantagem em relação às concorrentes. Segundo a EMA, a vacina "é feita a partir de um adenovírus que foi modificado, de forma a conter o gene responsável pela produção da proteína "spike", uma proteína do vírus SARS-CoV-2 necessária para entrar nas células do corpo". A Janssen "não contém o próprio SARS-CoV-2 e não causa a covid-19", explica ainda a agência europeia. Quanto à conservação, a farmacêutica responsável pela Janssen estima que as doses se conservem por dois anos à temperatura de -20° graus Celsius e, no máximo, por três meses entre 2° a 8° graus Celsius.

Eficácia de 85% na prevenção de formas graves da covid-19

Aprovado a 11 de março pela Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa) o fármaco tem uma eficácia de 85% na prevenção das formas mais fraves da doença, que poderão levar à hospitalização ou mesmo a morte. A eficácia baixa para 65% na prevenção dos sintomas mais moderados a severos da doença, nas duas semanas seguintes à toma. Estes dados não devem no entanto ser comparados com os mais de 90% de eficácia das vacinas da Pfizer/BioNTech (95%) e Moderna (94,1%), já que os testes foram realizados numa altura em que as novas variantes ainda não estavam tão generalizadas, nomeadamente a sul-africana.

Efeitos secundários "leves ou moderados" 

Durante os ensaios realizados em mais de 44 mil pessoas, foram reportados efeitos secundários "leves ou moderados" e que "desapareceram alguns dias após a vacinação". Entre eles incluem-se dor no local da injeção, dor de cabeça, cansaço, dores musculares e náuseas, os mesmos verificados nas outras vacinas contra a covid-19.


China admite dar doses de vacina diferentes para tornar mais eficaz imunização contra a covid-19
Melhorar a eficácia das vacinas atuais usando diferentes marcas, nas doses prescritas, é uma hipótese que está a ser considerada no país. Na Europa, vários estados vão avançar com vacina de outra farmacêutica para substituir segunda dose da AstraZeneca.

Casos de coágulos sanguíneos nos EUA investigados

A EMA abriu uma investigação à Janssen na sexta-feira passada devido a casos de coágulos sanguíneos após a toma do medicamento nos EUA. Dos quatro casos, um deles resultou em morte. 

Casos semelhantes com a vacina da AstraZeneca (que passou a designar-se Vaxvezria) levaram recentemente a uma suspensão temporária deste fármaco em vários países europeus, incluindo o Luxemburgo. O Grão-Ducado, entre outros Estados, retomou entretanto a vacinação com o medicamento que resulta de uma parceria entre a Universidade de Oxford e a farmacêutica sueco-britânica. Tanto a Janssen como a Vaxvezria são feitas a partir de um adenovírus. 

Luxemburgo deverá receber mais de 276 mil doses

Sobre a Janssen no Grão-Ducado, sabe-se que estão previstas chegar 276.156 doses. Destas, 4.800 deverão chegar ainda este mês. A Comissão Europeia acordou com a Johnson & Johnson a entrega da 200 milhões de doses da vacina durante o ano de 2021. Destas, 55 milhões deverão chegar até finais de junho à Europa mas as datas exatas ainda não são conhecidas. O Luxemburgo encontra-se atualmente na fase 5 da vacinação contra a covid-19, que abrange seis fases no total.

(Com AFP)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas