Escolha as suas informações

O melhor 'congé parental' é no Luxemburgo
Opinião Sociedade 2 min. 15.04.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

O melhor 'congé parental' é no Luxemburgo

Diário de uma mãe imigrante a mil

O melhor 'congé parental' é no Luxemburgo

Foto: DR
Opinião Sociedade 2 min. 15.04.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

O melhor 'congé parental' é no Luxemburgo

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
A licença parental não existe só em benefício dos mais pequenos. É um meio que permite a adaptação dos adultos ao dantesco desafio de trazer uma criança ao mundo.

Eu sei que não sou a mãe comum. Preferi ir trabalhar três meses após o nascimento do meu filho. Se me arrependo? De jeito algum. Voltaria a fazê-lo. E talvez o faça se o meu ventre voltar a emprenhar.   

Uma das modalidades da licença parental no Luxemburgo permite aos pais trabalhar a tempo parcial durante 20 meses logo após os três meses da licença de maternidade. Leram bem, 20 meses. Quase dois anos.   

Durante 20 meses – até o meu filho ter quase dois anos - não trabalhei à sexta-feira à conta do meu 'congé parental'. E não perdi um centavo do meu salário. Fiquei fã.

Esta opção permitiu-me regressar ao trabalho - algo que adoro e preciso como pão para a boca. E poder usufruir de um fim de semana prolongado inteiramente dedicado a ele durante os primeiros dois anos da sua existência.  

Além da minha semana laboral de quatro dias, eu fui verdadeiramente feliz durante esse período. Cheia de força, vontade de trabalhar e ao mesmo tempo de 'desligar'- andar descalça no parque, ir a museus, almoçar, passear com ele.  

Recentemente percebi o porquê de tanta euforia. Este 'congé' permitiu-me escapar aos primeiros nove duros meses (seis mais os três meses pós-parto) de iniciação à maternidade. Hedonismo ou não, desse tempo só guardo boas memórias.   

Mas no Luxemburgo ainda sou uma minoria. Em 2021, 6.050 mães e 3.514 pais optaram pela licença de seis meses a tempo inteiro. A termo de comparação, 1.871 homens e 359 mulheres optaram por tirar um dia por semana durante 20 meses. Curiosamente mais homens optaram pelo 'meu congé' no Grão-Ducado em 2021.   

Pelo que ouço a licença parental de seis meses a tempo inteiro nem sempre é a melhor experiência para mães e pais. Pode ser altamente isoladora, negra, depressiva, solitária, numa fase que por si só já é frágil. A somar a isto, quem vive fora não tem forma de deixá-los com os avós por duas horas. São 24 sobre 24 horas, non-stop

Os primeiros meses e anos de vida das crianças são fulcrais e é o tempo em que eles mais dependem de nós. E é um desafio durante o qual as mães e pais têm de estar física e psicologicamente bem.  

Nem sempre o melhor para pais e filhos é necessariamente a licença a tempo inteiro. E não há nenhum mal com isto. É tempo de abraçarmos e assumirmos outras opções sem medos e sem julgamentos.

Há uma grande amiga minha que diz: "Mãe feliz, bebé feliz". E eu não podia estar mais de acordo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Há novidades nas licenças por razões familiares. Em alguns casos, há mais dias que podem ser gozados pelo trabalhador, enquanto noutros esse número baixa. Saiba tudo o que muda a partir de 1 de janeiro de 2018.
Decisão do Governo, sindicatos e patrões
Vai haver mais dinheiro para a licença parental. Governo, sindicatos e patronato acordaram esta sexta-feira que a licença parental poderá chegar aos 3.200 por mês.