Escolha as suas informações

Nova Zelândia proibe uso de sacos de plástico
Sociedade 2 min. 01.07.2019

Nova Zelândia proibe uso de sacos de plástico

Nova Zelândia proibe uso de sacos de plástico

Foto: Shutterstock
Sociedade 2 min. 01.07.2019

Nova Zelândia proibe uso de sacos de plástico

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
A medida entrou em vigor esta segunda-feira, 1 de julho.

A Nova Zelândia colocou em prática a lei aprovada em 2018 que proíbe o uso de plástico de uso único. Em comunicado, Eugenie Sage, ministra do Meio Ambiente, disse que "nós, neozelandeses, estamos orgulhosos da reputação ecológica do nosso país (...). A proibição de sacos de plástico de uso único é um passo para resolver o problema dos resíduos na Nova Zelândia".

A medida prevê multas de mais de 59 mil euros para os estabelecimentos que não cumpram a lei. Sage pediu à população que use sacos reutilizáveis e garantiu também que o sistema de recolha de lixo e a sua posterior reciclagem vai ser melhorado.

De acordo com uma sondagem do ministério do Meio Ambiente, 91% dos neozelandeses sempre ou quase sempre utilizam os seus próprios sacos reutilizáveis. No entanto, estima-se que cada pessoa ainda use cerca de 154 sacos de plástico a cada ano. Este número equivale a 750 milhões de sacos usados anualmente na Nova Zelândia. 

Jacinda Ardern
Jacinda Ardern
Foto: AFP

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, já tinha anunciado esta proibição em 2018. "Todos os anos, a Nova Zelândia usa milhões de sacos de plástico - uma montanha de sacos que acaba por poluir a nossa preciosa costa e habitats marinhos. Tal como em relação às mudanças climáticas, estamos a tomar medidas significativas para reduzir a poluição através dos plásticos e não passar o problema para futuras gerações", afirmou.

O Bangladesh foi o primeiro país a banir os sacos de plástico em 2002. Seguiram-se a China, Israel, África do Sul, Holanda, Marrocos, Quénia, Ruanda, Mauritânia, Sri Lanka, Papua Nova Guiné, Vanuatu, Albânia e Geórgia. Outros países impuseram taxas por cada saco ou aprovaram fases para acabar de vez com o uso do plástico. 

É o caso de Portugal que a partir de meados de 2020 vai eliminar do mercado os sacos de plástico ultraleves e as embalagens plastificadas que sejam usadas para acondicionar e transportar pão, fruta e legumes. No Luxemburgo, o Parlamento definiu como meta um máximo de 40 sacos de plástico por pessoa até ao final de 2025.


Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Valorlux: Sacos de plástico mais caros
O preço dos sacos de plástico vendidos nas lojas vai aumentar já este mês de janeiro. A nova tarifa dos sacos mais vulgares, vendidos nas caixas dos supermercados, vai passar dos três para os cinco cêntimos.
Os sacos de plástico vão passar de três para cinco cêntimos.