Escolha as suas informações

Nova escola europeia terá opção de português como terceira língua no secundário
Sociedade 2 min. 10.02.2022 Do nosso arquivo online
Educação

Nova escola europeia terá opção de português como terceira língua no secundário

Educação

Nova escola europeia terá opção de português como terceira língua no secundário

Foto: Shutterstock
Sociedade 2 min. 10.02.2022 Do nosso arquivo online
Educação

Nova escola europeia terá opção de português como terceira língua no secundário

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
O ministro da Educação apresentou esta quarta-feira a Escola Internacional Gaston Thorn, que abre em setembro na cidade do Luxemburgo, como tinha avançado em entrevista ao Contacto no verão passado. As inscrições para a nova escola europeia abrem em março.

O ministro da Educação, Claude Meisch, revelou esta quarta-feira os detalhes da oferta curricular da nova escola europeia pública do Luxemburgo, que abre já no início do ano letivo de 2022/2023. Entre as novidades, a nova escola vai ter o português como opção de terceira língua no ensino secundário.

Tal como avançou no verão passado, em entrevista ao Contacto, esta nova escola internacional ficará na Cidade do Luxemburgo e é a sexta do género no país. Segundo o comunicado do Ministério, a Escola Internacional Gaston Thorn abre em setembro deste ano com "sete turmas na escola primária, distribuídas pelas três secções linguísticas (alemão, francês e inglês) e os dois primeiros níveis escolares".

Assim, no que respeita ao secundário, a nova escola "irá oferecer um total de 10 turmas no primeiro e segundo ano". A longo prazo, explica o mesmo comunicado, "a oferta escolar estender-se-á desde o jardim-de-infância até ao bacharelato europeu".

O novo estabelecimento escolar vai ainda funcionar numa base de regime contínuo, podendo os alunos do fundamental usar as maison relais.   


Nova escola internacional pública na Cidade do Luxemburgo abre em 2022
Esta será a sexta escola europeia pública lançada pelo Ministro da Educação, Claude Meisch.

"Não será uma escola, como o projeto de Mersch, em que teremos também as aulas do liceu tradicional luxemburguesas que serão agrupadas num edifício. A Escola Internacional da Cidade do Luxemburgo oferecerá exclusivamente aulas do sistema europeu", disse na altura Claude Meisch na entrevista ao Contacto.

Português como opção de terceira língua no secundário

Todos os alunos do ensino europeu, incluindo os da nova Escola Internacional Gaston Thorn, têm aulas de luxemburguês, neste caso com uma frequência de duas vezes por semana durante todo o ensino primário (fundamental) e até ao terceiro ano do secundário, refere o comunicado do Ministério.

Além das secções linguísticas, o francês, alemão ou inglês podem ser escolhidos como primeira ou segunda língua logo no fundamental, diz o texto. Já o português, assim como o italiano ou o espanhol podem ser escolhidos como terceira língua no ensino secundário.

As aulas começam em setembro com cerca de 300 alunos, em dois locais. A escola primária ficará localizada num edifício em Cessange (rue Verte) enquanto que o secundário funcionará no edifício "Blumm" no Campus de Geesseknäppchen, em Merl, partilhando o edifício com a Escola Nacional de Adultos (ENAD). No futuro, a nova Escola Internacional Gaston Thorn mudar-se-á para a zona de Limpertsberg, na capital.

Na nova instituição de ensino haverá também uma aposta nas atividades curriculares e numa filosofia assente em três pilares: o ambiente digital dos jovens, a educação musical e a promoção da democracia.  

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A Escola Internacional de Differdange (EIDD) começa a funcionar na segunda-feira, dia 12 de Setembro. Os alunos das primeiras nove turmas chegam este mês e, gradualmente, virão os restantes 1.400 até 2018, ano em que a escola deverá estar definitivamente concluída. Para este primeiro ano lectivo foram contratados 18 professores.
Os portugueses são a segunda nacionalidade mais representada na nova escola, com 25 alunos entre os 110 inscritos. Apesar disso, por falta de interesse na língua portuguesa, a escola arranca sem aulas de português no primário
A escola europeia de Differdange deverá estar a funcionar em 2016, na comuna de Differdange. A garantia é dada pelo ministro da Educação, Claude Meisch, numa resposta a uma questão parlamentar apresentada por um deputado do CSV.
A escola de Differdange vai fazer parte da rede de escolas europeias agregadas