Escolha as suas informações

Na Europa, o Zolgensma irá custar 1,9 milhões de euros?
Sociedade 03.07.2019

Na Europa, o Zolgensma irá custar 1,9 milhões de euros?

Na Europa, o Zolgensma irá custar 1,9 milhões de euros?

Foto: DR.
Sociedade 03.07.2019

Na Europa, o Zolgensma irá custar 1,9 milhões de euros?

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Depois de aprovado na UE, a farmacêutica terá ainda de discutir o preço do medicamento com as autoridades de Portugal, do Grão-Ducado e dos países da Europa.

O presidente da Associação Portuguesa de Neuromusculares (APN) está convencido o preço da nova terapia para a Europa “deverá ser inferior ao dos EUA”. Nos Estados Unidos, face ao seu preço tão elevado – este é o medicamento mais cado do mundo – os doentes podem pagá-lo em cinco vezes, 381 mil euros por ano. Em Portugal, o Zolgensma deverá “ser comparticipado 100% tal como acontece com o Nusinersen”, prevê Joaquim Brites. O mesmo se deverá passar no Luxemburgo, onde Nusinersen também comparticipado a 100%. Depois do sinal verde da EMA e do Ministério da Saúde do Luxemburgo para venda do Zolgensma no Grão-Ducado e fixado o seu preço, cabe à Caixa Nacional de Saúde e aos parceiros sociais decidirem sobre o reembolso do novo medicamento. “Perante um medicamento inovador e que é único para tratar uma doença” este deverá ter o “parecer favorável à comparticipação”, que nestes casos, de preços tão elevados, deverá “ser total” considera ao Contacto Abílio Fernandes, do Ministério da Segurança Social. De qualquer modo, depois da aprovação da EMA, e de cada país, a farmacêutica terá ainda de discutir o preço do medicamento com as autoridades de Portugal, do Grão-Ducado e dos países da Europa.






























Notícias relacionadas

"Existem princípios éticos que as empresas deviam respeitar"
Depois de uma mobilização sem precedentes em Portugal para alcançar os 2 milhões de euros necessários para comprar o medicamento que pode curar a menina portuguesa que sofre de Atrofia Muscular Espinal de tipo 1, o Contato entrevistou António Faria Vaz, vice-presidente do Conselho Diretivo da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (INFARMED).
Doenças públicas e lucros privados
A legislação mundial sobre patentes e propriedade intelectual preocupa-se mais em proteger os lucros abusivos da indústria farmacêutica que tornar universais as melhorias da ciência.