Escolha as suas informações

Mulher grávida e três crianças entre as vítimas mortais do naufrágio do Canal da Mancha
Sociedade 2 min. 25.11.2021
Migrantes

Mulher grávida e três crianças entre as vítimas mortais do naufrágio do Canal da Mancha

Colete salva-vidas descartado na praia de Wimereux, perto de Calais. Migrantes continuam a tentar atravessar o Canal da Mancha em direção ao Reino Unido
Migrantes

Mulher grávida e três crianças entre as vítimas mortais do naufrágio do Canal da Mancha

Colete salva-vidas descartado na praia de Wimereux, perto de Calais. Migrantes continuam a tentar atravessar o Canal da Mancha em direção ao Reino Unido
Gareth Fuller/PA Wire/dpa
Sociedade 2 min. 25.11.2021
Migrantes

Mulher grávida e três crianças entre as vítimas mortais do naufrágio do Canal da Mancha

Redação
Redação
As vítimas estavam entre as 27 pessoas que morreram afogadas quando tentavam atravessar o Canal da Mancha, numa tentativa desesperada de chegar ao Reino Unido.

Um dia depois, chegam mais informações sobre o naufrágio ao largo do Canal da Mancha. Inicialmente, o governo francês anunciou que 31 pessoas tinham morrido na quarta-feira, na sequência do naufrágio de uma embarcação ao largo de Calais, mas o número foi revisto para 27 - 17 homens, sete mulheres, incluindo uma grávida e três crianças. Segundo as autoridades, tratavam-se na sua maioria de curdos do Iraque ou Irão. 

Dois homens, um iraquiano e um somali, foram resgatados com vida e estão a receber tratamento para a exaustão e hipotermia num hospital de Calais.  O Ministério Público francês abriu uma investigação criminal e cinco homens suspeitos de "envolvimento direto" na travessia foram detidos.

A Organização Marítima Internacional já descreveu o acidente como a maior tragédia tragédia no Canal desde que começou a manter registos em 2014. 

Troca de acusações

O Presidente de França, Emmanuel Macron, e o Primeiro-Ministro britânico, Boris Johnson, prometeram novas medidas para travar as travessias ilegais de migrantes no Canal da Mancha.  

No entanto, Johnson cobrou maior esforço de França para impedir a travessia de migrantes, enquanto Macron disse que o Reino Unido precisa parar de politizar a questão. 

Estas travessias são objeto de tensões regulares entre Paris e Londres, já que as autoridades britânicas consideram insuficientes os esforços desenvolvidos pelo lado francês para impedir os migrantes de embarcar, apesar do pagamento de uma ajuda financeira.

França convidou entretanto "os ministros belgas, alemães, holandeses e britânicos responsáveis pela imigração, bem como a Comissão Europeia, para uma reunião" no próximo domingo, em Calais.  "A reunião definirá as formas e meios de reforçar a cooperação policial, judicial e humanitária para "combater melhor as redes de contrabandistas que trabalham nos fluxos migratórios", avançou o gabinete do Primeiro-Ministro francês, Jean Castex. 

De acordo com dados compilados pela agência noticiosa AP, mais de 25,7 mil pessoas chegaram à Inglaterra em pequenas embarcações desde o início do ano, três vezes mais do que em todo o ano de 2020.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Reunião entre governantes europeus e a Comissão Europeia sobre a crise migratória no Canal da Mancha não vai contar com a presença britânica, após carta de Boris Johnson a Macron.