Escolha as suas informações

Merl: Alunos dos cursos de português foram conhecer novo Instituto Camões
Sociedade 2 min. 17.05.2016

Merl: Alunos dos cursos de português foram conhecer novo Instituto Camões

A ilustradora Diana Amaral apresentou os livros sobre a personagem Antares no Centro Cultural Português – Instituto 
Camões

Merl: Alunos dos cursos de português foram conhecer novo Instituto Camões

A ilustradora Diana Amaral apresentou os livros sobre a personagem Antares no Centro Cultural Português – Instituto 
Camões
Foto: Manuel Dias
Sociedade 2 min. 17.05.2016

Merl: Alunos dos cursos de português foram conhecer novo Instituto Camões

Cerca de 40 alunos dos cursos de língua e cultura portuguesas das escolas de Merl, Bertrange e Bonnevoie foram conhecer, na quinta-feira, o novo espaço do Centro Cultural Português – Instituto Camões.

Cerca de 40 alunos dos cursos de língua e cultura portuguesas das escolas de Merl, Bertrange e Bonnevoie foram conhecer, na quinta-feira, o novo espaço do Centro Cultural Português – Instituto Camões.

A apresentação dos livros “Antares no coração das estrelas” e “Antares e a luneta de Galileu”, da escritora Alice Cardoso, foi o pretexto para esta iniciativa inserida no âmbito do Dia Mundial do Livro (assinalado no dia 23 de Abril).

Sara Cerqueira nasceu no Luxemburgo e está no quinto ano. Filha de portugueses, é a primeira vez que visita o novo centro cultural. Diz que é um espaço “muito fixe” e espera regressar com os pais para explorar e requisitar livros do espaço infanto-juvenil. Sobre a apresentação dos livros, diz que gostou de conhecer as histórias sobre a personagem Antares.

Margot Santer, 12 anos, filha de mãe portuguesa e pai francês, nasceu em Portugal e vive há dois no Luxemburgo. Gostou de conhecer o moderno Instituto Camões (IC) e de participar na oficina de pintura sobre as histórias do livro.

Houve também uma oficina de pintura sobre os livros de Antares
Houve também uma oficina de pintura sobre os livros de Antares
Foto: Manuel Dias

Organizada pela Coordenação de Ensino, a visita deste grupo de alunos entre os sete e os 12 anos tinha como objectivo a “descoberta da biblioteca e o contacto com os livros”. “Este é um espaço aberto aos alunos, aos pais, ao público”, disse ao CONTACTO o responsável do IC, Joaquim Prazeres.

Bruno Silva, um dos professores que acompanhou os alunos ao Camões, saudou a iniciativa que permitiu tirar os alunos das salas de aula e pô-los em contacto com os livros.

“Eles ficaram contentes por vir conhecer este novo espaço. Encontraram novos autores e livros novos. Espero que continuem a requisitar livros, porque é sempre uma mais-valia aprender a língua de Camões”, sublinhou o professor natural de Amarante, destacado há 10 anos como docente de português no Luxemburgo.

A apresentadora e ilustradora dos livros, Diana Amaral, realçou a participação dos alunos. “Ler um livro é interessante, mas também é bom ver os alunos a pôr questões e a reflectir sobre a história narrativa e visual dos livros”, disse a designer natural de Loriga, distrito da Guarda, e residente no Luxemburgo.

Os alunos tiveram contacto com novos livros e autores
Os alunos tiveram contacto com novos livros e autores
Foto: Manuel Dias

Além deste “primeiro evento de promoção do livro e da leitura organizado neste novo local”, o Instituto Camões continua o seu trabalho junto das escolas. “Também vamos continuar a ir às 21 escolas luxemburguesas que contam com uma biblioteca portuguesa integrada”, lembra Joaquim Prazeres.

Os livros “Antares no coração das estrelas” (2014), obra incluída no Plano Nacional de Leitura de Portugal, e “Antares e a luneta de Galileu” (2015) podem ser comprados no Centro Cultural Português, em Merl.

Os trabalhos de Diana Amaral podem ser vistos no Facebook “Ilustrar Magia”.

Henrique de Burgo

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Entrevista: “O Luxemburgo exporta os seus problemas na educação”
No seu primeiro romance, Béatrice Peters imagina a revolta de um jovem português contra o sistema de ensino no Luxemburgo. “Fremde Heimat” (“Pátria Estranha”) é uma denúncia das dificuldades dos estrangeiros no ensino luxemburguês, que a antiga professora conhece bem. Para Béatrice Peters, que deu aulas no ensino primário no Luxemburgo, está na altura de mudar o sistema.
O romance conta muitos episódios reais passados com alunos portugueses, de quando Béatrice Peters dava aulas no ensino primário.