Escolha as suas informações

Médicos americanos transplantam um rim de porco para humano
Sociedade 22.10.2021
Medicina

Médicos americanos transplantam um rim de porco para humano

Medicina

Médicos americanos transplantam um rim de porco para humano

Foto: AFP
Sociedade 22.10.2021
Medicina

Médicos americanos transplantam um rim de porco para humano

Redação
Redação
Apesar dos cientistas norte-americanos estarem entusiasmados, alguns especialistas acolheram a notícia com reservas, uma vez que ainda não foram publicados detalhes do estudo em nenhuma revista científica.

O rim de um porco foi transplantado num humano com sucesso, numa experiência realizada no dia 25 de setembro, no Instituto Langone Health de Nova Iorque. A notícia foi agora avançada pelo diretor da Unidade de Transplantes, Robert Montgomery, que afirma que os resultados são motivo de esperança.

"Uma das coisas que isto provavelmente fará é aumentar o nosso esforço e dar-nos nova confiança de que isto vai funcionar, que vai correr bem quando passarmos para os primeiros testes em humanos vivos. Portanto, penso que irá acelerar esse processo. E penso que está perto, está a um ano ou dois de distância".

O rim utilizado era de um porco modificado geneticamente para prevenir a rejeição e foi conectado aos vasos sanguíneos de um paciente em estado de morte cerebral, cuja família tinha autorizado a experiência.

Segundo o New York Times, a operação durou cerca de duas horas e o rim funcionou normalmente durante os dois dias e meio que durou o ensaio. Para Montgomery, "o rim fez o que era suposto fazer (...) produziu urina".

Segundo a Euronews, a experiência tinha já sido feita com primatas e o rim de porco transplantado funcionou durante um ano, mas é a primeira vez que é feita com humanos.


Uma doente em tratamentos de recuperação da Covid no Centro de Alcoitão.
Os relatos de quem sobreviveu "por milagre" à Covid mais mortal
Chegam sem andar, com muita dificuldade em falar e respirar ao centro de reabilitação de Alcoitão, que há mais de um ano trata as sequelas mais graves deixadas pela covid-19 e pelos meses em coma e de internamento em cuidados intensivos.

O organismo humano contém anticorpos que atacam um determinado tipo de açúcar presente "em todas as células dos porcos", o que provoca uma "rejeição imediata do órgão", explica o Dr. Montgomery.

Desta vez, o animal foi geneticamente modificado para evitar que esse açúcar fosse produzido, não dando espaço para a rejeição acontecer.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.