Escolha as suas informações

Mais uma festa, Boris? Novo escândalo abala posição do primeiro-ministro britânico
Sociedade 2 min. 11.01.2022
Reino Unido

Mais uma festa, Boris? Novo escândalo abala posição do primeiro-ministro britânico

Reino Unido

Mais uma festa, Boris? Novo escândalo abala posição do primeiro-ministro britânico

Fot: Kirsty O'connor/PA Wire/dpa
Sociedade 2 min. 11.01.2022
Reino Unido

Mais uma festa, Boris? Novo escândalo abala posição do primeiro-ministro britânico

AFP
AFP
Uma festa no jardim de Downing Street, em maio de 2020, volta a colocar a posição do primeiro-ministro em risco.

Boris Johnson enfrenta mais um escândalo por causa de alegadas violações às restrições sanitárias de combate à pandemia. Em causa, uma festa no seu escritório em Downing Street, durante o período de confinamento na primeira vaga da pandemia, em 2020.

De acordo com emails divulgados pela ITV News, dezenas de funcionários da equipa de Johnson foram convidados para um convívio no jardim da residência oficial em Downing Street, em maio de 2020, quando encontros entre grupos estavam proibidos na altura.

Um dos emails divulgados na segunda-feira indicava que Martin Reynolds, o secretário particular  do primeiro-ministro, convidou mais de 100 colegas a "trazer a sua própria bebida" para o evento, ao qual Johnson e a esposa Carrie alegadamente assistiram. 

Boris Johnson já tinha negado ter conhecimento de qualquer violação das regras em Downing Street durante a pandemia, mas os emails sugerem encontros no jardim escritório do próprio primeiro-ministro. Num email divugado pela ITV News Reynolds terá escrito: "Depois do que tem sido um período incrivelmente ocupado, seria bom aproveitar ao máximo o tempo agradável e tomar algumas bebidas socialmente distanciadas no jardim do nº10 esta noite". Ainda segundo a cadeia televisiva britânica cerca de 40 funcionários acabaram por se reunir.   

As revelações sucedem a uma série de acusações semelhantes que surgiram no mês passado sobre as festas de Downing Street realizadas durante os lockdowns posteriores, no período que antecedeu o Natal de 2020. No seguimento, Johnson nomeou Sue Gray, funcionária pública, para investigar as alegações que deverão agora incluir também esta denúncia. 

Entretanto, em declaração divulgada na segunda-feira, a polícia de Londres indicou estar a investigar potenciais violações das leis de confinamento em relação à festa em questão. "O serviço da Polícia Metropolitana tem conhecimento de relatórios generalizados relacionados com alegadas violações dos Regulamentos de Proteção da Saúde em Downing Street, no dia 20 de maio de 2020, e está em contacto com o Gabinete do Governo". 

Johnson esperava começar o novo ano com confiança renovada no seu governo, deixando para trás os chamados escândalos do 'partygate', que fizeram aumentar a pressão sobre a sua posição, após uma série de outras alegações de corrupção. Mas muitos dos jornais desta terça-feira, incluindo os que normalmente apoiam Johnson e o partido conservador, voltaram a espalhar o seu descontentamento face às últimas revelações nas suas primeiras páginas. "Basta Boris! É preciso acabar agora com a farsa do 'partygate'", escreveu, por exemplo, o Daily Express. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas