Escolha as suas informações

Mais festas em Downing Street. Desta vez, antes do funeral do Príncipe Filipe
Sociedade 3 min. 14.01.2022
Escândalo

Mais festas em Downing Street. Desta vez, antes do funeral do Príncipe Filipe

Escândalo

Mais festas em Downing Street. Desta vez, antes do funeral do Príncipe Filipe

Foto: AFP
Sociedade 3 min. 14.01.2022
Escândalo

Mais festas em Downing Street. Desta vez, antes do funeral do Príncipe Filipe

AFP
AFP
Na noite antes do funeral do Príncipe Filipe, em que a Rainha de Inglaterra teve de sentar-se sozinha, funcionários de Downing Street reuniram-se em duas festas de despedida, com música e álcool.

Está a ser uma semana difícil para o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. Apenas 48 horas depois de assumir a responsabilidade e pedir desculpa por um convívio no jardim da sua residência oficial, que pensou ser uma "reunião de trabalho", outro escândalo abala o executivo de Boris Johnson. 

Desta vez, foram revelados duas festas de despedida na mesma noite, que, para além de dever ter sido de contenção por causa da pandemia, calharam na véspera do funeral do Príncipe Filipe. 

De acordo com o Telegraph, na noite de sexta-feira, dia 16 de abril de 2021, os funcionários da residência oficial do primeiro-ministro britânico reuniram-se  para assinalar a partida de dois colegas, James Slack, o diretor de comunicação de Johnson, que também tinha sido o de Theresa May, e que o ano passado deixou o número 10 de Downing Street para se tornar editor-adjunto do tabloide The Sun, e um dos fotógrafos pessoais de Boris Johnson.

A festa teve direito a álcool e dança, para lá da meia-noite, e contou com a presença de cerca de 30 pessoas, avança o jornal. O primeiro-ministro não foi esteve presente, de acordo com o seu porta-voz, uam vez que tinha estava na  em Chequers, residência de férias, onde se manteve até domingo.

O país estava de luto com a morte do Duque de Edimburgo. O funeral, marcado pela imagem da Rainha, sozinha e de máscara preta, na capela do Castelo de Windsor, contaria exatamente com as mesmas pessoas presentes que as festas de Downing Street na véspera, 30. Os britânicos foram aconselhados a não deixar flores nem outras recordações junto ao gradeamento do Palácio de Buckingham, por causa da pandemia, e até o habitual livro de condolências, em vez de fisicamente, foi disponibilizado online.

De acordo com as testemunhas ouvidas pelo Telegraph, a despedida do diretor de comunicação de Boris Johnson começou com um discurso na sua própria sala, a que se juntaram alguns colegas através de links de vídeo, e continuou depois nos jardins de Downing Street, já com algumas garrafas de álcool abertas. Na cave, onde o pessoal mais novo se juntou para dizer adeus ao fotógrafo, a comemoração foi mais intensa, com um computador portátil a ser pousado em cima de uma fotocopiadora e a fazer as vezes de colunas de som, e Shelley Williams-Walker, a chefe de operações de Boris Johnson a assumir o papel de DJ — depois desta noite, no número 10, alguns passaram a chamar-lhe “DJ SWW”, tal terá sido o seu sucesso a escolher música.

Numa declaração nesta sexta-feira, James Slack pediu desculpa "pela raiva e dor causadas". "Este evento não deveria ter acontecido na altura", acrescentou, dizendo que assumiu "plena responsabilidade". Mas estas novas revelações acrescentam a uma já longa lista de festas organizadas nos círculos do poder durante os períodos de confinamento dos últimos dois anos.  Também destacam, de acordo com testemunhas citadas nos meios de comunicação, uma verdadeira cultura da bebida em Downing Street.

Boris Johnson e os seus ministros já disseram que preferem esperar pelas conclusões de uma investigação interna sobre estes acontecimentos conduzidas por Sue Gray, que é conhecida pela sua integridade e autoridade. O jornal Times disse nesta sexta-feira que a investigação não encontrou provas suficientes de infrações penais.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas