Escolha as suas informações

Mais de 230 alunos portugueses nas turmas internacionais do ensino público
Sociedade 22.11.2018

Mais de 230 alunos portugueses nas turmas internacionais do ensino público

Mais de 230 alunos portugueses nas turmas internacionais do ensino público

Foto: AFP
Sociedade 22.11.2018

Mais de 230 alunos portugueses nas turmas internacionais do ensino público

238 alunos portugueses estão a frequentar as chamadas 'turmas públicas internacionais' que existem em oito escolas do país.

De acordo com os números divulgados hoje pelo ministro da Educação, Claude Meisch, há 37 crianças portuguesas matriculadas nas turmas de ensino fundamental. No total, 721 alunos frequentam as turmas internacionais deste tipo de ensino.

Já no secundário, o número de alunos lusos sobe para 201, num total de 1.312. Neste nível de ensino, os portugueses são a segunda maior fatia, depois dos luxemburgueses (306). Juntas, as fileiras internacionais do ensino fundamental e secundário têm 2.033 alunos. Os portugueses correspondem a 11,7% do total.

Atualmente, há turmas internacionais nas escolas de Differdange e Esch-sur-Alzette (EIDE), Mondorf-les-Bains (EIMLB), Junglinster (LLJ), International School Michel Lucius (ISML), bem como nos liceus Michel Lucius (LML), Athénée de Luxembourg (AT), Liceu Edward Steichen (LESC) e Liceu Técnico do Centro (LTC). Nestas quatro últimas instituições, a oferta diz respeito apenas ao ensino secundário.

Diana Alves


Notícias relacionadas

Lição n°5: Escola Internacional deDifferdange recebe primeiros alunos
A Escola Internacional de Differdange (EIDD) começa a funcionar na segunda-feira, dia 12 de Setembro. Os alunos das primeiras nove turmas chegam este mês e, gradualmente, virão os restantes 1.400 até 2018, ano em que a escola deverá estar definitivamente concluída. Para este primeiro ano lectivo foram contratados 18 professores.
Os portugueses são a segunda nacionalidade mais representada na nova escola, com 25 alunos entre os 110 inscritos. Apesar disso, por falta de interesse na língua portuguesa, a escola arranca sem aulas de português no primário