Escolha as suas informações

Mãe rapta filha de um ano e mata-a no dia de aniversário
Sociedade 2 min. 11.02.2020

Mãe rapta filha de um ano e mata-a no dia de aniversário

O corpo de Vanille foi encontrado num contentor de roupas usadas.

Mãe rapta filha de um ano e mata-a no dia de aniversário

O corpo de Vanille foi encontrado num contentor de roupas usadas.
Foto: AFP
Sociedade 2 min. 11.02.2020

Mãe rapta filha de um ano e mata-a no dia de aniversário

A mulher francesa que vivia num centro materno, em Angers, asfixiou a menina até à morte e escondeu-a depois num contentor de roupas usadas.

O caso está a chocar a França. Uma mãe, Nathalie Stéphan, de 39 anos, assassinou a sua filha, Vanille, sextafeira 7, no dia em que a menina celebrava o primeiro aniversário, em Angers, França.

O rapto, a morte por asfixia e a colocação da criança, sem vida, num contentor para doação de roupas, foi um ato premeditado pelo que esta mulher que foi ontem detida e “acusada de homicídio premeditado” e pode ser condenada a “prisão perpétua”, anunciou o procurador público, Eric Bouillard.

Vanille vivia com uma família de acolhimento e Nathalie Stéphan num centro materno de Angers, um lar para mulheres grávidas e mães solteiras. A mãe sofre há anos de “distúrbios psicológicos” mas podia ver regularmente a sua filha.

No sexta-feira, a menina celebrava o seu primeiro aniversário pelo que Nathalie pode estar com ela umas horas. Só que depois não a levou para a família de acolhimento à hora marcada, 17h30, conforme acordado com a Agência de Assistência à Criança (ASC). No dia seguinte, a família alertou a polícia.

AFP

Nathalie Stéphan que raptou a menina foi encontrada domingo de manhã, num hotel em Nantes, a cerca de 100 quilómetros de Angers. Sem a menina e ficou sob custódia policial.

Ao final do dia e depois dos policias terem iniciado as buscas, a mãe resolve confessar tudo. E revelou onde deixou o corpo sem vida da filha. Num contentor para doação de roupas (foto em cima), em Angers. E a polícia encontrou o cadáver.

Segundo as autoridades, a mulher explicou que tinha morto a sua filha na sexta-feira, antes da hora marcada para a entregar às assistentes da ACS.

AFP

A autópsia determinou que a menina morreu por "asfixia". O motivo de tal ato "parece estar ligado à sua saída do centro materno. Avisaram-na que tinha de deixar o centro e ela decidiu matar a filha", disse o procurador público de Angers, Eric Bouillard esta segunda-feira. Este responsável descreveu esta mulher, como alguém "em grande dificuldade, sem uma rede amigável". Nathalie Stéphan veio de uma família de pais surdos e mudos, com três filhos. Também ela tinha sido acolhida pela ASE, entre 16 e 18 anos, após "problemas familiares", disse segunda-feira o presidente do conselho do departamento do Maine-et-Loire, Christian Gillet. 

AFP

Contudo, segundo o procurador, “entre 3 de dezembro e 7 de fevereiro, nenhum sinal nos levou a suspeitar que a mãe estivesse a premeditar tal ato, pelo contrário", explicou Bouillard, destacando que os educadores estavam a notar "uma evolução positiva. Declararam estar perante uma mãe que estava cada vez mais envolvida no vínculo" à sua filha.


Notícias relacionadas