Escolha as suas informações

Luxemburgo. Varíola dos macacos detetada em criança
Sociedade 2 min. 17.08.2022
Surto

Luxemburgo. Varíola dos macacos detetada em criança

Surto

Luxemburgo. Varíola dos macacos detetada em criança

Foto ilustrativa: Shutterstock
Sociedade 2 min. 17.08.2022
Surto

Luxemburgo. Varíola dos macacos detetada em criança

Simon MARTIN
Simon MARTIN
O Ministério da Saúde garante que a criança está em isolamento e encontra-se estável.

A evolução da varíola dos macacos no Luxemburgo continua a preocupar. De acordo com o último relatório das autoridades de saúde, foram detetadas 41 infeções no país. A campanha de vacinação arrancou na terça-feira, graças às 1.500 doses recebidas ao abrigo de uma encomenda europeia.


Monkeypox, um vírus antigo que se está a espalhar pela Europa
Fora dos países africanos foram detetados mais de 550 casos em maio. ONU e associações alertam que vírus não tem género nem orientação sexual e que apesar de não ser, atualmente, um risco para a população em geral pode afetar qualquer sexo.

A Saúde reportou, esta quarta-feira, um caso do vírus numa criança de tenra idade. "A criança está num estado estável e não preocupante e está em isolamento", referiu o ministério. "A inspeção sanitária visitou a creche que frequenta no início da tarde", precisou.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a maioria dos casos até agora envolveu homens que têm relações sexuais com homens, embora não exclusivamente. Esta notícia chega algumas semanas após a descoberta de dois casos detetados pela primeira vez em crianças nos Estados Unidos. Entretanto, foram identificados quatro outros casos nesta faixa etária em França. 

Autoridades em contacto com pais e creche

Por seu lado, a Saúde disse que efetuou o rastreio dos contactos da criança e que as pessoas em causa tinham sido informadas da infeção. "A creche em questão permanece operacional, não havendo outras crianças que apresentem sintomas nesta fase. As crianças e os adultos que tiveram um potencial contacto com a criança infetada não estão em risco de desenvolver formas graves da doença. No entanto, a inspeção sanitária permanecerá em contacto diário com os pais e o pessoal da creche, a fim de detetar qualquer início de sintomas".


Quem deve tomar a vacina contra a varíola dos macacos?
É recomendada a vacinação a homens que tenham relações sexuais com homens com múltiplos parceiros; a pessoas transexuais com múltiplos parceiros sexuais; e aos trabalhadores do sexo.

A Direção da Saúde reiterou a importância de todos se protegerem contra o vírus e evitarem situações de risco para limitar a sua propagação. "Os infetados devem ser isolados e evitar o contacto com outras pessoas, cobrir lesões e espinhas e seguir as medidas habituais de higiene, incluindo a das mãos. Entre as medidas de proteção, é aconselhável reduzir o número de parceiros sexuais e não partilhar bens pessoais com pessoas infetadas ou que tenham contactado com pessoas infetadas (roupa de cama, toalhas, lâminas de barbear, etc.)".  

Recorde-se que, como habitual, a ministra da Saúde, Paulette Lenert (LSAP), dará uma atualização sobre a evolução do vírus no Grão-Ducado durante uma conferência de imprensa agendada para sexta-feira.

De acordo com o último relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), foram assinalados 31.665 casos e 12 mortes devido à doença em todo o mundo.

(Este artigo foi originalmente publicado na edição francesa do Luxemburger Wort.)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O número de casos confirmados de Monkeypox subiu para 96 em Portugal, anunciou esta segunda-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS), adiantando que os doentes se mantêm em acompanhamento clínico e estão estáveis.