Escolha as suas informações

Luxemburgo. Saúde mental dos adolescentes está a piorar
Sociedade 21.04.2021

Luxemburgo. Saúde mental dos adolescentes está a piorar

Luxemburgo. Saúde mental dos adolescentes está a piorar

Foto: Anouk Antony/Luxemburger Wort
Sociedade 21.04.2021

Luxemburgo. Saúde mental dos adolescentes está a piorar

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Quase 9.000 alunos do Grão-Ducado participaram no estudo que envolve 45 países.

A saúde mental dos adolescentes no Luxemburgo tem vindo a piorar ao longo dos últimos anos. Esta é uma das principais conclusões de um estudo internacional sobre a saúde e o comportamento de adolescentes, divulgado esta segunda-feira. 

Segundo os dados referentes a 2018, com a colaboração dos ministérios da Educação e da Saúde e da Universidade do Luxemburgo, as queixas entre adolescentes referentes à saúde mental aumentaram de 34,8% em 2006 para 40,1% em 2018. Neste mesmo ano, 8% dos alunos no Grão-Ducado tinham sido vítimas de assédio. 

A maioria dos alunos, 65%, mostrou-se satisfeita com a escola, mas 40% revelaram, ao mesmo tempo, sentir stress relacionado com os trabalhos de casa. Ainda de acordo com os dados, o número de adolescentes que acha mais fácil desabafar com os pais sobre as suas preocupações aumentou ligeiramente. No estudo participaram 8.687 alunos do Grão-Ducado entre os 11 e os 18 anos. 

Outro dado que salta à vista está relacionado com o sedentarismo. O excesso de peso e a obesidade aumentaram de 14% em 2006 para 19% em 2018, ao mesmo tempo que a atividade física baixou, com 35,2% dos alunos a declarar que praticavam atividade física pelo menos quatro vezes por semana (contra 39,6% em 2006).


Luxemburgo. Há alunos transformados em robôs e outros revoltados demais devido à pandemia
Duas especialistas do CEPAS explicam ao Contacto o mal-estar dos jovens, entre eles os lusodescendentes, que podem estar em sofrimento psicológico. E lembram que há psicólogos escolares que dominam o português.

Mas nem tudo é negativo. O consumo de álcool (29%) e tabaco (13%) diminuiu em 2018. No mesmo sentido, o uso de canábis entre os mais novos diminuiu de uma forma geral, mas aumentou entre os jovens com 17 e 18 anos. 

O estudo é o quarto deste tipo desde 2006 e envolve um total de 45 países.   

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas