Escolha as suas informações

Luxemburgo quer proibir venda de carros a diesel e gasolina na União Europeia
Sociedade 15.03.2021 Do nosso arquivo online

Luxemburgo quer proibir venda de carros a diesel e gasolina na União Europeia

Luxemburgo quer proibir venda de carros a diesel e gasolina na União Europeia

Foto: Anouk Antony/Luxemburger Wort
Sociedade 15.03.2021 Do nosso arquivo online

Luxemburgo quer proibir venda de carros a diesel e gasolina na União Europeia

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
O Luxemburgo e mais oito Estados-membros da UE pedem à Comissão Europeia que estipule uma data limite para o fim da venda de viaturas a combustão (gasóleo e gasolina).

O Luxemburgo e mais oito países europeus - Bélgica, Países Baixos, Áustria, Dinamarca, Grécia, Irlanda, Lituânia e Malta - assinaram uma carta conjunta desafiando os responsáveis comunitários a adotar medidas mais ambiciosas na redução da emissão de gases com efeito de estufa.

Segundo a agência de notícias Reuters, os nove Estados-membros pedem um calendário que estabeleça gradualmente o fim dos automóveis a gasóleo e gasolina, e a mudança para as viaturas elétricas. Em linha com esta ambição, o Grão-Ducado introduziu uma taxa sobre o dióxido de carbono este ano

Com o horizonte do objetivo de neutralidade carbónica até 2050, o Japão já anunciou que vai proibir a venda de carros novos movidos a combustíveis fósseis nos próximos 15 anos. O estado norte-americano da Califórnia prevê essa interdição para 2035 e o Reino Unido deverá avançar com esta medida em 2030. 


No Luxemburgo, continua a ser mais eficiente utilizar carro do que transportes públicos
No país com o número mais elevado de carros per capita na Europa, o que podemos fazer para diminuir a nossa pegada de carbono? Usar os transportes públicos e reduzir o consumo de carne tem mais impacto do que reciclar, considera Thomas Gibon, investigador do Instituto de Ciência e Tecnologia do Luxemburgo (LIST).

As preocupações com o clima pelo Grão-Ducado não se ficam apenas pelos veículos sobre rodas. Em 2019, o ministro dos Transportes, François Bausch, pediu em reunião com homólogos europeus a introdução de uma taxa europeia sobre o principal combustível utilizado na aviação, o querosene, com o objetivo de combater as alterações climáticas e melhorar a qualidade do ar na União Europeia. Segundo o ministro da Mobilidade e Obras Públicas, François Bausch, a tarifa seria aplicada a todas as companhias aéreas que operam na União Europeia (UE). 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Vêm aí novos impostos. A ideia parece certa, mas não se sabe ainda quando nem como. A culpa é da saída do Reino Unido da União Europeia. É que o grupo dos 27 vai ter de arranjar forma de compensar a redução que o Brexit vai provocar no orçamento comunitário.
A ministra do Ambiente, Carole Dieschbourg, esteve em Nova Iorque na cerimónia de assinatura do Acordo de Paris contra as alterações climáticas. Num comunicado do Governo, Dieschbourg afirmou que o “Luxemburgo tem orgulho em fazer parte” da assinatura do acordo e assegura que vai fazer o que for necessário para ratificá-lo. Contudo, peso dos impostos ambientais no Grão-Ducado continua a ser um dos mais baixos da União Europeia.
A ministra do Ambiente, Carole Dieschbourg, apelou a uma aliança entre a sociedade civil e os agentes privados