Escolha as suas informações

Luxemburgo no pódio dos que mais bebem na UE
Sociedade 2 min. 20.10.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo no pódio dos que mais bebem na UE

Luxemburgo no pódio dos que mais bebem na UE

Foto: Pixabay
Sociedade 2 min. 20.10.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo no pódio dos que mais bebem na UE

Depois da Dinamarca e da Roménia, o Grão-Ducado regista a terceira taxa mais elevada no que respeita ao consumo de álcool em excesso. Nem o confinamento travou a tendência.

Ainda sem dados fechados e específicos sobre o consumo de álcool, o ministério da Saúde mantém-se particularmente atento ao alcoolismo, numa altura em que os sintomas depressivos estão em alta, em grande parte graças à pandemia. 

No que respeita ao consumo de álcool, a ministra Paulette Lenert recorre ao relatório da Organização Mundial de Saúde de 2019 e salienta que o fenómeno é mais frequente junto às fronteiras e que, em comparação com os países vizinhos "o preço do álcool no Luxemburgo é relativamente baixo". 

Segundo a governante, uma elevada percentagem de bebidas álcoolicas vendidas no Grão-Ducado é comprado e consumido por não-residentes. No entanto, o inquérito no qual o Ministro se baseia, não estabelece números precisos para o número de pessoas dependentes do álcool no Luxemburgo. 

Pódio da UE

O relatório mostra sim que, em relação aos 27 estados membros da UE, o Luxemburgo só é ultrapassado pela Dinamarca e pela Roménia no que respeita ao consumo de bebidas alcóolicas em excesso. 

Mais especificamente, a percentagem de adultos que relatam episódios de consumo excessivo -6 ou mais bebidas alcoólicas por um adulto e 5 ou mais bebidas alcoólicas por um adolescente numa festa- está entre as mais altas da UE, com mais de um em cada três adultos a relatar hábitos de consumo acima da média. 

Neste sentido, o relatório que serve de suporte ao governo liderado por Xavier Bettel reconhece que "os esforços para reduzir o consumo excessivo de álcool têm tido resultados limitados" e que o consumo de álcool "continua a ser um grande problema de saúde pública".

O consumo descontrolado de álcool não afeta no entanto a população mais jovem. Apenas um em cada sete jovens de 15 anos na UE relata ter estado bêbado pelo menos duas vezes nas suas vidas, sendo esta, por sinal, a proporção mais baixa na UE. 

Sensibilização 

Citada pelo Wort, a ministra da Saúde garante que no âmbito do chamado "Plano de Acção do Luxemburgo para a redução do consumo de álcool, 2020-2024", as autoridades estão a equacionar criar novos centros de tratamento, numa "análise da necessidade de ofertas novas ou complementares" com o objetivo de "adaptar as estruturas existentes".

Questionado sobre o aumento dos casos de depressão por causa da pandemia, Lenert garante que "globalmente, notou-se que mais de um terço das pessoas consultou um clínico geral, independentemente da situação da covid-19". Por outro lado, a ministra observa que o sítio Internet dedicado aos problemas de depressão tem sido consultado com mais frequência nos últimos meses do que antes da pandemia, por todos os grupos etários.

Especificamente, 8,3% dos jovens com 15 anos ou mais tinham relatado sintomas depressivos nas últimas duas semanas antes do inquérito. Em 50% dos casos, estes eram sintomas depressivos graves. 

 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.