Escolha as suas informações

Luxemburgo entre os países da UE com maior descida no excesso de mortalidade
Sociedade 15.05.2022
Covid-19

Luxemburgo entre os países da UE com maior descida no excesso de mortalidade

Covid-19

Luxemburgo entre os países da UE com maior descida no excesso de mortalidade

Foto: AFP
Sociedade 15.05.2022
Covid-19

Luxemburgo entre os países da UE com maior descida no excesso de mortalidade

Redação
Redação
Segundo dados do Eurostat, após um excesso de mortalidade estável de 7%, em janeiro e fevereiro de 2022, a taxa na UE caiu ligeiramente para 6% no mês março.

O excesso de mortalidade na União Europeia (UE) desceu em março para 6%, após um pico de 26% em novembro de 2021 devido à pandemia de covid-19.

A Suécia (-5%) e o Luxemburgo (-1%) foram os Estados-membros que registaram uma variação negativa.  Já Portugal ficou alinhado com a média europeia, com uma taxa de 6,8%, segundo a informação divulgada, esta sexta-feira, pelo gabinete estatístico europeu, Eurostat.

Chipre (+33%) e a Grécia (+31%) foram os países que apresentaram as maiores taxas de excesso de mortalidade, em março.

Segundo os dados do organismo, após um excesso de mortalidade estável de 7%, em janeiro e fevereiro de 2022, a taxa na UE caiu ligeiramente para 6% no mês março.

“Após a quarta vaga de excesso de mortalidade no outono de 2021, quando o excesso de mortalidade na UE atingiu um pico de +26% em novembro e +23% em dezembro” devido ao aumento acentuado de casos de covid-19, “os dados para 2022 continuam a mostrar melhorias”, sinaliza o Eurostat.

Este excesso de mortalidade é calculado como a diferença entre o número de mortes que ocorreram e o número que seria esperado na ausência da pandemia, com base em dados de anos anteriores, nomeadamente entre 2016 e 2019.

No conjunto dos 27, a UE registou picos anteriores de excesso de mortalidade em abril de 2020 (25%), novembro de 2020 (40%) e abril de 2021 (21%).

Atualmente, cerca de 325 milhões de pessoas na UE têm vacinação completa contra a covid-19 e perto de 231 milhões receberam uma dose de reforço.

(Com Lusa)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A economia da zona euro cresceu 2,1% no segundo trimestre do ano, face ao período homólogo. Os dados ficam em linha com o previsto pelos analistas. Este é o ritmo mais elevado desde 2011, de acordo com os dados do Eurostat, já que nos primeiros três meses daquele ano, a economia cresceu 2,9%.
Portugal registou, no segundo trimestre do ano, a segunda maior subida da taxa de emprego entre os Estados-membros da União Europeia, com um crescimento de 0,9% face ao trimestre anterior, revelam dados hoje divulgados em Bruxelas pelo Eurostat.
A subida do emprego é um bom sinal para Portugal