Escolha as suas informações

Luxemburgo entre os 10 países da UE com mais vivência de violência e assédio
Sociedade 3 min. 19.02.2021 Do nosso arquivo online

Luxemburgo entre os 10 países da UE com mais vivência de violência e assédio

Luxemburgo entre os 10 países da UE com mais vivência de violência e assédio

Sociedade 3 min. 19.02.2021 Do nosso arquivo online

Luxemburgo entre os 10 países da UE com mais vivência de violência e assédio

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Um relatório da Agência para os Direitos Fundamentais da União Europeia, publicado esta sexta-feira, mostra que o Grão-Ducado ficou acima da médica comunitária no que respeita a episódios de violência e assédio vividos pela população.

O Luxemburgo está entre os 10 países da União Europeia (UE) onde a população mais  experienciou episódios de violência física e assédio, segundo revela o relatório da Agência para os Direitos Fundamentais da União Europeia publicado esta sexta-feira. 

Estes resultados fazem parte daquele que é o primeiro inquérito a nível da UE - e que inclui também o Reino Unido e Macedónia do Norte - sobre a experiência de crime da população em geral, realizado pela agência, e que mostra que a violência e o assédio, no espaço comunitário, são "muito superiores aos registos oficiais".

De acordo com o inquérito, realizado em 2019 e que se debruçou sobre os cinco anos anteriores a essa data, no Grão-Ducado 12% dos inquiridos disseram ter sido vítimas de alguma forma de violência física, nesse período. Um valor que é superior à média da UE, que é de 9%, e também ao de Portugal, que, com 4%, é um dos países com os níveis mais baixos.  

À frente do Luxemburgo ficam as vizinhas Bélgica e França, com 14% cada, numa lista que é liderada pela Estónia, que reportou 18% de situações de violência vividas nesses cinco anos, seguida da Finlândia, com 16%, e da República Checa.


Statec lança estudo sobre segurança no Luxemburgo
O Instituto Nacional de Estatísticas (STATEC), em colaboração com a polícia grã-ducal, lança a partir de hoje, 1 de outubro, um inquérito sobre a segurança no Luxemburgo.

Para o estudo foram considerados como violência física quatro atos de violência física, sobre os quais os inquiridos foram questionados: incidentes em que alguém lhe bateu, atirou algo, empurrou ou puxou o cabelo; casos em que lhe bateram com o punho ou com outra coisa que pudesse magoar; incidentes em que foi pontapeado ou arrastado, ou lhe bateram; e se foi objeto de tentativa de asfixia ou estrangulamento.

Os inquiridos responderam se viveram pelo menos uma dessas situações, no período em análise.

Quem mais se queixa

No Luxemburgo, são mais as mulheres a queixarem-se de terem vivido situações que implicam algum grau de violência física: 13%, em comparação com 12% dos homens.  

Em termos etários, os jovens com idades entre os 16 e os 29 anos são a faixa mais representada, com 30% - a percentagem mais alta - a responderem ter tido experiência com alguma situação de violência.

Vivência de situações de violência foi descendo nos cinco anos

Quando a análise se reporta apenas ao último ano antes da realização da pesquisa (ou seja, a 2018), os números descem. No Luxemburgo, passam a ser 8% aqueles que respondem positivamente à questão (ainda assim, acima da média europeia de 6%), quando na análise a cinco anos esse valor é de 12%.

Analisando as queixas por géneros e idades também se nota uma diminuição: 8% no caso das mulheres e 7% no dos homens, e 20% dos jovens com idades entre os 16 aos 29 anos - novamente a faixa etária com a percentagem mais alta, mas abaixo dos 30% da análise a cinco anos.

As respostas referentes ao último ano voltam a colocar a Finlândia e a Estónia como os países com percentagem mais alta para esse período, cada um com uma resposta de 10%. Em Portugal, apenas 1% considerou ter sido vítima de violência física nos 12 meses anteriores ao inquérito.

Assédio coloca Luxemburgo nos cinco primeiros lugares da UE

No que respeita a assédio, o Luxemburgo está entre os cinco países da UE, com um valor mais alto que o referente à violência física: 52% dos inquiridos do Grão-Ducado responderam ter sido vítimas de assédio nos últimos cinco anos. Entre estes, a maior parte foram mulheres (55% por comparação com 50% de homens), sendo os jovens, entre os 16 e os 29 anos, aqueles que mais se queixaram (76%).

 Em primeiro lugar está a França com 62% de respostas positivas.

Quando se analisa o último ano da pesquisa nota-se uma descida desses números. Embora o Luxemburgo continue a ocupar o mesmo lugar, o valor reduz para os 39%, entre os quais 42% de mulheres e 36% de homens, e na sua maioria jovens, com idades entre os 16 e os 29 anos (61%).



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas