Escolha as suas informações

Luxemburgo é o segundo país da UE com menos peso de fontes renováveis no consumo energético
Sociedade 2 min. 21.01.2022
Ambiente

Luxemburgo é o segundo país da UE com menos peso de fontes renováveis no consumo energético

Ambiente

Luxemburgo é o segundo país da UE com menos peso de fontes renováveis no consumo energético

Karl-Josef Hildenbrand/dpa
Sociedade 2 min. 21.01.2022
Ambiente

Luxemburgo é o segundo país da UE com menos peso de fontes renováveis no consumo energético

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Em 2020, o Grão-Ducado teve o segundo pior desempenho em termos de proporção das chamadas energias verdes no consumo energético doméstico. Todos os países do Benelux ficaram abaixo da média da UE e França não conseguiu cumprir a quota que definiu.

O Luxemburgo é o segundo pior país da União Europeia (UE) no que se refere ao peso das energias renováveis no consumo energético final doméstico. No Grão-Ducado, essa proporção é de 12%, o que representa cerca de metade da média comunitária, que em 2020 se situou nos 22%, segundo dados do Eurostat, o gabinete de estatísticas europeu, publicados esta quarta-feira.

Pior que o Luxemburgo está Malta, com as fontes renováveis a representarem apenas 10% da energia consumida no país. O pódio dos três piores países nessa matéria fica completo com a Bélgica, onde a proporção das renováveis se fica pelos 13%. 


Luxemburgo contra inclusão de energia nuclear e gás como "energia verde" na nomenclatura da UE
O ministro luxemburguês da Energia, Claude Turmes, qualifica a proposta da Comissão Europeia como "lavagem verde".

Abaixo da média europeia estão igualmente a França, a Alemanha e os Países Baixos, com uma proporção de 19,1%, 19,3% e 14% respetivamente.

Já no topo dos países com mais peso de fontes energéticas renováveis no consumo final de energia encontra-se a Suécia. Com uma proporção de 60% destas energias limpas, mais de metade da energia do país é verde. A Suécia foi de longe o estado-membro que registou a maior quota entre os países da UE em 2020, deixando ainda a uma grande distância aqueles que melhor se posicionam a seguir, como a Finlândia , com 44%, e a Letónia, com 42%. 

Portugal também nas posições cimeiras, ocupando o quinto lugar do ranking, com uma proporção de 34% de energias renováveis no consumo energético doméstico, à frente de países como a Dinamarca. 

UE dá sinais encorajadores mas há países com quotas aquém do esperado

A nível da UE, a quota do consumo final bruto de energia proveniente de fontes renováveis atingiu 22% em 2020, o que, sinaliza o Eurostat, representa mais 2 pontos percentuais (pp) acima do objetivo definido para esse ano, pela diretiva europeia para promoção da utilização de energia proveniente de fontes renováveis.

Em termos médios o valor alcançado significa um marco importante no caminho traçado pela União Europeia para atingir a neutralidade carbónica até 2050. 


Lítio, o debate polarizador de 2022
Seja como for, 2022 vai ser mesmo o ano do debate aceso e polarizado sobre o lítio.

No entanto, entre os Estados-membros verificaram-se disparidades com alguns a ultrapassarem as suas metas nacionais e outros a ficarem aquém do que propuseram em matéria de energias verdes.

Entre os 27 países da UE, 26 cumpriram ou excederam os seus objetivos para 2020. Neste último caso, incluem-se a Suécia e a Croácia, que ultrapassaram ambos as metas que traçaram para uso de energias renováveis em 11%, e a Bulgária com mais 7% do que o previsto. No extremo oposto, a França foi o único Estado-membro que ficou aquém do seu objetivo, com menos 3,9% do que tinha definido.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Grão-Ducado quer atingir os 11% de energia renovável até final de 2020. Pactos com os países bálticos, fomento da produção nacional e um novo imposto sobre o CO2 são algumas das medidas para lá chegar.