Escolha as suas informações

Luxemburgo, China e outros parceiros financiam hospital em Cabo Verde
Sociedade 22.11.2022
Saúde

Luxemburgo, China e outros parceiros financiam hospital em Cabo Verde

Saúde

Luxemburgo, China e outros parceiros financiam hospital em Cabo Verde

Foto: Christoph Soeder/dpa
Sociedade 22.11.2022
Saúde

Luxemburgo, China e outros parceiros financiam hospital em Cabo Verde

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Além da área da saúde, a cooperação luxemburguesa vai ainda financiar o projeto de reforço de água, saneamento, governança e ação climática.

O Luxemburgo vai financiar a construção da unidade de cuidados intensivos do hospital Baptista de Sousa, na ilha de São Vicente, em Cabo Verde.

Segundo a imprensa do arquipélago, o Grão-Ducado vai ainda financiar um centro de simulação médica e um centro técnico de manutenção de equipamentos no mesmo hospital, num valor total de um milhão de euros.

No mesmo centro hospitalar, a China vai construir uma maternidade e uma pediatria, orçadas em 12,3 milhões de euros. Também o Japão vai financiar a reestruturação da rede de telemedicina de Cabo Verde, no valor de 2,1 milhões de euros.


Luxemburgo oferece 3 milhões de euros para levar refeições às escolas em Cabo Verde
Cabo Verde declarou recentemente a situação de emergência social e económica.

Além da área da saúde, a cooperação luxemburguesa vai ainda financiar o projeto de reforço de água, saneamento, governança e ação climática, no valor de 4,9 milhões de euros.

Também o Grupo de Apoio ao Orçamento de Cabo Verde, que integra a União Europeia, Luxemburgo, Portugal, Espanha, Banco Mundial e Banco Africano de Desenvolvimento, disponibilizou no passado sábado 68 milhões de dólares a Cabo Verde para financiar o Orçamento de Estado em 2023.  

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Um terço da população não consegue citar um sintoma ligado ao cancro. Esta é a conclusão de uma sondagem realizada pelo instituto TNS Ilres, a pedido da Fundação Cancro. Há cinco anos, era o caso para um quinto dos sondados. Ou seja, há uma evolução negativa.