Escolha as suas informações

Luxemburgo. Centenas de milhares de doses de vacinas expiram nos próximos meses
Sociedade 4 min. 25.11.2022
Pandemia covid-19

Luxemburgo. Centenas de milhares de doses de vacinas expiram nos próximos meses

Mais recentemente, foram administradas semanalmente uma média de cerca de 2.450 doses.
Pandemia covid-19

Luxemburgo. Centenas de milhares de doses de vacinas expiram nos próximos meses

Mais recentemente, foram administradas semanalmente uma média de cerca de 2.450 doses.
Foto: AFP
Sociedade 4 min. 25.11.2022
Pandemia covid-19

Luxemburgo. Centenas de milhares de doses de vacinas expiram nos próximos meses

Maximilian RICHARD
Maximilian RICHARD
O Grão-Ducado dispõe de uma grande reserva de vacinas contra a covid-19. No entanto, as substâncias ativas têm um prazo de validade limitado. E há mais 625 mil doses a caminho.

As reservas de vacinas contra a covid-19 estão cheias. O Luxemburgo tem, desde meados de novembro, cerca de 978 mil doses de vacinas de vários fabricantes. No entanto, cerca de 40 por cento destas poderiam ser destruídas a curto prazo. Cerca de 400.800 doses de vacina vão expirar entre novembro e o final de fevereiro de 2023.

É mais do que improvável que todas as vacinas covid encontrem até lá um comprador neste país. A taxa de vacinação está a um nível bastante baixo. Mais recentemente, apenas cerca de 2.450 doses foram administradas em média todas as semanas. Se este continuar a ser o caso, é provável que apenas 34.300 doses sejam administradas até ao final de fevereiro.


Covid-19. População do Luxemburgo não adere à segunda dose de reforço
Segundo o último relatório do Ministério da Saúde, na semana passada apenas 2.800 pessoas tomaram a vacina anti-covid.

Além disso, apenas uma fração destas vacinas deverá ser administrada com as doses que expiram. No Luxemburgo, a maioria dos residentes recebe atualmente uma segunda vacinação de reforço. São utilizadas principalmente vacinas mais recentes adaptadas às variantes.

No entanto, a curto prazo, principalmente as substâncias ativas não adaptadas correm o risco de expirar. Apesar de não serem ineficazes: de acordo com os resultados atuais, estas vacinas também continuam a fornecer uma proteção eficiente contra a covid severa.

Vacinas custam vários milhões de euros

O valor de compra das substâncias ativas que expiram não é conhecido. No entanto, numa resposta a uma pergunta parlamentar do deputado Sven Clement (Piratas) em outubro, a ministra da Saúde, Paulette Lenert (LSAP), forneceu uma indicação da magnitude dos custos. 

No final de outubro, 78.840 doses de vacinas já tinham sido eliminadas devido a um prazo de validade expirado. De acordo com a ministra, estas substâncias ativas tinham um valor de compra de cerca de 1,4 milhões de euros.


Mais de um milhão de euros para o lixo. Luxemburgo destrói cerca de 79 mil vacinas
Em causa está a data de validade das doses de de vacinas contra a covid-19 que tinha caducado.

Desta forma, o valor de compra das 400.800 doses de vacinas que vão expirar até ao final de fevereiro pode ser estimado em cerca de 7,2 milhões de euros. Contudo, os valores podem variar devido aos diferentes custos das várias substâncias ativas.

Na resposta à pergunta parlamentar, a ministro da Saúde também comenta as elevadas reservas de vacinas no Grão-Ducado. Isto é explicado pelas condições de negociação entre os fabricantes e a Comissão da UE. Na sua maioria, os países tiveram de se comprometer com uma certa quantidade num prazo de doze a quinze meses antes de uma entrega.

Mais 625 mil doses a caminho

Neste momento, existe apenas informação limitada disponível sobre a eficácia das substâncias. O curso das campanhas de vacinação durante este período é também imprevisível - tal como o progresso no desenvolvimento de novas vacinas adaptadas às variantes. Além disso, os fabricantes exigem um número mínimo de vacinas a encomendar.


Mais de 38 mil reações adversas em 25,6 milhões de vacinas administradas
Os dados do Infarmed indicam ainda que o maior número de reações adversas foi registado em pessoas que receberam a vacina Comirnaty (Pfizer), a mais utilizada em Portugal.

Entretanto, estão a ser preparadas outras encomendas de vacinas. Cerca de 625 mil doses devem ser entregues no Luxemburgo entre novembro e o final do próximo ano. Uma porta-voz da Saúde explicou que todos os residentes terão a oportunidade de receber uma dose de reforço.  

Uma segunda vacinação de reforço é atualmente recomendada para grupos de risco. Contudo, outros residentes que já tenham recebido uma primeira vacinação de reforço podem também receber uma nova dose mediante pedido. Os números relativamente baixos de vacinação, contudo, indicam que esta oferta é bastante pouco aceite. O ministério não dispõe de qualquer informação sobre quantas pessoas vacinadas são afetadas por um fator de risco.  

Discussão sobre doação ao Bangladesh

No entanto, tendo em conta os baixos números de vacinação, nem todas as substâncias ativas recentemente encomendadas puderam encontrar um comprador neste país. Se uma parte da população não aceitar a oferta de vacinação, o Luxemburgo poderia também passar as vacinas para outro Estado, de acordo com uma porta-voz da Saúde.

Já no início de abril, foi anunciado que se procurariam doações para países carenciados. Nessa altura, o ministério da Saúde anunciou que ainda não havia acordos concretos. Oito meses mais tarde, os planos são aparentemente mais claros: Há discussões sobre uma doação para o Bangladesh. O ministério não dá mais pormenores, por exemplo, sobre o âmbito ou o calendário de uma entrega.


Pfizer e BioNTech testam vacina combinada contra covid e gripe
Também a Moderna e a Novavax estão a conduzir ensaios clínicos para formular vacinas para estas doenças.

Uma implementação rápida seria desejável em qualquer caso - isto também se aplica a outros projetos de doação. Caso contrário, não só a curto prazo, mas também a médio prazo, centenas de milhares de doses de vacinas correm o risco de serem eliminadas se não forem utilizadas.

As restantes reservas de vacinas também têm um prazo de validade limitado. Para além das 400.800 doses de vacinas que vão expirar no final de fevereiro, mais 579.200 doses têm uma data de validade entre março e julho de 2023.

(Este artigo foi originalmente publicado no Luxemburger Wort e traduzido para o Contacto por Tiago Rodrigues)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.