Escolha as suas informações

Luxemburgo. 82% dos alunos aprendem mais do que duas línguas estrangeiras
Sociedade 29.09.2020

Luxemburgo. 82% dos alunos aprendem mais do que duas línguas estrangeiras

Luxemburgo. 82% dos alunos aprendem mais do que duas línguas estrangeiras

Foto: Guy Wolff/Luxemburger Wort
Sociedade 29.09.2020

Luxemburgo. 82% dos alunos aprendem mais do que duas línguas estrangeiras

Susy MARTINS
Susy MARTINS
No relatório do Eurostat – sobre o ensino de línguas estrangeiras no ensino secundário na UE em 2018 – o Luxemburgo destaca-se entre os países onde mais alunos têm aulas de uma outra língua que não a materna.

O conhecimento de várias línguas abre mais portas aquando da procura de um novo emprego. Este é apenas um exemplo para dar a conhecer o novo estudo do gabinete de estatísticas europeu (Eurostat) que conclui que 48% dos alunos do ensino secundário na União Europeia (UE) aprendem mais de duas línguas estrangeiras. Mas no Luxemburgo, país multicultural por excelência, a percentagem sobe para 82%. 

No relatório do Eurostat – sobre o ensino de línguas estrangeiras no ensino secundário na UE em 2018 – o Luxemburgo destaca-se entre os países onde mais alunos têm aulas de uma outra língua que não a materna. Embora o francês e o alemão sejam línguas oficias do país, são consideradas neste estudo como idiomas estrangeiros para os alunos do Grão-Ducado. O Luxemburgo situa-se assim na terceira posição do pódio, ultrapassado pela Roménia, com 98% dos alunos a estudarem mais de duas línguas estrangeiras, e Finlândia com 94%. 


Escola. Alunos imigrantes vão ter acompanhamento especial por quatro anos
As crianças em idade escolar que cheguem ao Luxemburgo vão ser apoiadas passo a passo na sua entrada na escola do novo país para uma melhor integração e sucesso. O novo serviço visa combater o abandono escolar.

Em contrapartida, Portugal (6%) e Grécia (1%) estão na cauda da lista. No conjunto do bloco europeu a aprendizagem do inglês é de longe a língua mais aprendida na União Europeia. Cerca de 87% dos alunos estudam inglês no ensino secundário, seguido de francês (19%) e do alemão (18%).  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Comissário diz que luxemburguês "não está suficientemente desenvolvido" para escolarizar crianças
Marc Barthelemy foi nomeado comissário para a língua luxemburguesa em outubro e tem como missão preparar um plano para promover o idioma nos próximos 20 anos. Mas, para já, mostra-se céptico quanto à possibilidade de que a língua que defende esteja "suficientemente desenvolvida" para ser o idioma de alfabetização. Ao Contacto, falou da importância das outras duas línguas para preservar o papel central do Luxemburgo na Europa e defendeu que o português devia ser mais valorizado no país.
"Não se pode dizer que os alunos portugueses são menos inteligentes que os luxemburgueses"
Claude Meisch mudou o paradigma do ensino luxemburguês, com a criação de escolas europeias integradas no ensino público que oferecem a possibilidade de escolher a língua de alfabetização. A chegar ao fim do mandato, o ministro da Educação escreveu um livro para defender essa opção. Chama-se “Crianças fortes: um assunto do coração” (“Staark Kanner – Eng Häerzenssaach”, em luxemburguês), e foi o pretexto para fazer o balanço das reformas.
O ministro da Educação defende um ensino diferenciado para dar resposta aos alunos estrangeiros.