Escolha as suas informações

Jovens portugueses e luxemburgueses com dificuldades em ler informação online
Sociedade 5 min. 06.11.2019

Jovens portugueses e luxemburgueses com dificuldades em ler informação online

Jovens portugueses e luxemburgueses com dificuldades em ler informação online

Foto: Rolf Vennenbernd/dpa
Sociedade 5 min. 06.11.2019

Jovens portugueses e luxemburgueses com dificuldades em ler informação online

Segunda edição de estudo internacional que avalia literacia em computadores e pensamento computacional revelou debilidades na relação dos jovens portugueses e luxemburgueses com as ferramentas digitais.

Aquela que é apelidada de Geração Z não consegue avaliar se a informação 'online' é fiável, segundo um estudo que revela que quase metade dos alunos portugueses do 8.º ano só consegue executar "tarefas elementares" de recolha e gestão de informação.

Nasceram e cresceram rodeados de tecnologia mas afinal a maioria dos jovens de 13 e 14 anos, conhecidos como "nativos digitais", não tem assim tanta habilidade a usar as tecnologias de informação, revela um estudo internacional que testou os conhecimentos de mais de 46 mil estudantes de 12 países e dois sistemas educativos.

Entre estes alunos, estão cerca de três mil estudantes de 215 escolas portuguesas que também participaram na segunde edição do Internacional Computer and Information Literacy (ICILS) que avaliou duas áreas: Literacia em Computadores e Informação (CIL) e Pensamento Computacional (CT).

Resultado: Só 1% dos jovens portugueses conseguiu selecionar a informação mais relevante e foi capaz de avaliar a utilidade e fiabilidade da informação para criar produtos de informação. Dos 46 mil alunos, apenas 2% demonstrou ter capacidade para aceder de forma crítica a informação online.

No relatório hoje divulgado, os investigadores questionam até que ponto estarão os jovens preparados para estudar, trabalhar e viver num mundo digital. Em Portugal, por exemplo, só 20% dos alunos portugueses mostrou ser capaz de trabalhar de forma independente com computadores.

Quase metade conseguiu executar apenas "tarefas elementares e explícitas" de recolha e gestão de informação: 46% dos jovens portugueses ainda "precisam de ajuda" na altura de usar computadores para investigar, criar ou comunicar.

Olhando para todos os estudantes que fizeram os testes, 18% ficaram abaixo do nível 1, ou seja, apenas conseguem executar alguns comandos simples. Já em Portugal, a percentagem de alunos com conhecimentos tão baixos é de 7%.

No total, um em cada quatro (25% de todos os alunos e 27% dos portugueses) demonstrou ter um conhecimento funcional dos computadores enquanto ferramentas de trabalho, ficando no nível 1 - "básico/funcional" (a escala vai até ao nível 4).

Perante estes resultados, os investigadores alertam para o facto de não bastar entregar equipamentos a alunos e professores e deixá-los sozinhos: é preciso ensinar a usar, defendem.

Em declarações à Lusa, o secretário de estado Adjunto e da Educação, João Costa, lembrou alguns programas que o ministério lançou nas escolas no anterior mandato, nomeadamente junto dos alunos do 1.º e 2.º ciclos, que não abrangeram os estudantes que realizaram os testes do ICILS.

"Com a evolução da tecnologia, quanto mais excluído é um aluno, maior é a desigualdade no futuro", sublinhou João Costa, reconhecendo que "ainda há um caminho a fazer" e que a sociedade digital é uma das preocupações espelhadas no programa de Governo.

Os alunos dizem que foi na escola que aprenderam a procurar informação na internet, perceber se era credível ou se era relevante para incluir num trabalho. Mais uma vez, os números nacionais não diferem muito da média dos restantes países.

Além dos portugueses, participaram no estudo a Dinamarca, Finlândia, Alemanha, França, Itália, Luxemburgo, Moscovo, Cazaquistão, Coreia do Sul, Estados Unidos da América, Chile, Uruguai e Renânia do Norte-Vestefália.

O estudo revela que a diferença entre países é mais pequena do que as diferenças dentro de cada país entre os melhores e os piores alunos. E mostra também que as condições socioeconómicas dos estudantes, os anos de experiência de utilização de computadores e o acesso a computadores em casa acabam por ser determinantes nos resultados.

Através dos inquéritos foi possível perceber que os filhos de pais com formação superior obtêm melhores resultados, assim como aqueles que têm pelo menos 26 livros em casa.

Nestes casos, as diferenças são menos gritantes em Portugal do que na maioria dos países, sublinhou em declarações à Lusa Vanda Lourenço, chefe de equipa do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), organismo responsável pela aplicação do estudo nas escolas portuguesas.

O estudo mostrou ainda que os alunos usam mais as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC, na sigla em português) fora da escola e sobretudo para atividades de lazer, tais como ouvir música, descarregar vídeos ou aceder a informação através da internet.

Contradições no Luxemburgo

No Luxemburgo, a abordagem pedagógica através de meios informáticos começa mais cedo do que em Portugal. As crianças luxemburguesas têm o primeiro contacto com computadores aos quatro anos. Só dois anos depois (aos seis) é que os alunos portugueses dão os primeiros passos na informática. 

É precisamente o Luxemburgo, com a Dinamarca, o país com o nível mais elevado de acesso à internet entre ospaíses que participaram no estudo. Mais de 97% das pessoas entre os 16 e os 74 anos acederam à internet nos últimos três meses desta investigação.

Nos planos governamentais do Chile, Alemanha, Luxemburgo e Uruguai foram feitas referências ao fornecimento de computadores individuais nas escolas. Todos os países, com a exceção do Cazaquistão e de Portugal, tiveram cobertura para o desenvolvimento de recursos digitais neste sentido.

Outra das notas em destaque é a análise de determinados temas no currículo escolar de cada país. Planeamento e desenvolvimento de produtos tecnológicos, criação de representações visuais como por exemplo gráficos, escrita em algoritmo ou em código, entre outros, não fazem parte do plano de estudos de países como o Luxemburgo e o Uruguai.

Por outro lado, a Dinamarca, a Finlândia, a França e o Luxemburgo foram os países com melhor acesso a recursos em termos de proporção de dispositivos digitais por estudante. Na maioria dos países, houve um rácio mais elevado nas zonas urbanas em comparação com as zonas rurais, contudo esta diferença é mais significativa a nível nacional para a Coreia e para o Luxemburgo.

Já em relação ao aumento da banda larga para os computadores ligados à internet, o Luxemburgo tem uma das taxas mais baixas em comparação com os outros países. Tanto no Grão-Ducado como em Portugal, as mulheres têm melhor classificação na compreensão da utilização de ferramentas digitais.

Aceda ao estudo na íntegra (em inglês)

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Acesso ao ensino superior é tema na Feira do Estudante
Coordenação do Ensino Português participa no evento, agendado para os dias 8 e 9. No dia 8, uma sessão de informação sobre o acesso ao ensino superior em Portugal terá lugar no Centro Cultural Português, a partir das 19h00.
Entrevista: “O Luxemburgo exporta os seus problemas na educação”
No seu primeiro romance, Béatrice Peters imagina a revolta de um jovem português contra o sistema de ensino no Luxemburgo. “Fremde Heimat” (“Pátria Estranha”) é uma denúncia das dificuldades dos estrangeiros no ensino luxemburguês, que a antiga professora conhece bem. Para Béatrice Peters, que deu aulas no ensino primário no Luxemburgo, está na altura de mudar o sistema.
O romance conta muitos episódios reais passados com alunos portugueses, de quando Béatrice Peters dava aulas no ensino primário.