Escolha as suas informações

Jovem vai caminhar 832 km da costa Portuguesa para recolher plástico
Sociedade 1 7 min. 06.08.2020

Jovem vai caminhar 832 km da costa Portuguesa para recolher plástico

Jovem vai caminhar 832 km da costa Portuguesa para recolher plástico

Sociedade 1 7 min. 06.08.2020

Jovem vai caminhar 832 km da costa Portuguesa para recolher plástico

Ana B. Carvalho
Ana B. Carvalho
"The Plastic Hike" é uma missão de um alemão, conhecido como o "viajante do lixo", para sensibilizar o mundo sobre a proteção ambiental.

É conhecido como The Trash Traveler (O Viajante do Lixo) e tem a missão de ajudar o planeta a tornar-se um lugar menos poluído e mais sustentável. 

Chama-se Andreas Noe, tem 32 anos e é biólogo molecular, mudou-se em 2018 para Portugal para trabalhar num laboratório.  "Viajei sempre muito graças ao meu trabalho mas há alguns anos que vinha de férias a Portugal. Adoro a cultura, as pessoas, as praias. Estive sempre conectado a Portugal e decidi que queria morar e trabalhar aqui." Diz que não tenciona voltar para a Alemanha, porque é em Portugal que se sente em casa. "E é por isso que não quero que me vejam como o alemão que vem limpar Portugal. Eu estou aqui porque eu sou apaixonado por este país". 

A mensagem não é só para os Portugueses, é universal. "O planeta deve reduzir o consumo de plástico e viver uma vida mais sustentável, se existem alternativas ao plástico, devemos utiliza-las", explica.

Ver esta publicação no Instagram

THE PLASTIC HIKE Preparation: 832 km coastline of Portugal. 60 days. How much plastic and cigarettebutts will we collect? 🌊🐬 We're in the hot phase of preparation for he big plastic hike project in Portugal. It wouldn't be the style of The Trash Traveler to just pick up and not maximise the awareness message. Since weeks I am building something out of trash to show people on my hike what we're doing with this planet.. what do you think could it be? Comment below! 💚🙋🏼‍♂️ Please dispose cigarettebutts into a bin (general waste bin) get a pocket ashtray (@biataki , soon also a trash traveler edition!) or even send it for recycling (in Portugal @biataki for example)! The most important: don't throw them on the ground! 💚🐋 If you would like to be a sponsor for part of the clean ups of the plastic hike, or would like to support in covering the expenses of this project, you can donate as many trashbags as you like and I am picking up trash for you - the link you can find in my BIO. Together, we can raise more awareness and be a part of the solution. 💚🐋🐬🦈🌞 #wenigerplastikmüll #oceantrash #oceantreasures #trashtag #thestoryofplastic #ourplasticfeedback #plasticlovers #vanlifestyle #vanlifefamily #vanlife #vanlifeexplorer #recycledplastic #litteract #coastalart #winaprize #turtleturtle #beachcleanup #trashart #travelpicks #vanlifestyle #beachlifestyle #planetheroes #sustainabilitymatters #thetrashtraveler #savetheoceans #fillthebottle

Uma publicação partilhada por The Trash Traveler | Eco Tips (@thetrashtraveler) a

Garante que na Alemanha se enfrentam os mesmos problemas. Apesar de se encontrar menos lixo nas ruas alemãs e de haver uma diferença na cultura "do deitar fora", com sistemas implementados de depósitos de garrafas e embalagens, Andreas considera que "o deitar os resíduos nos contentores e ecopontos não chega. Sim, as ruas estão mais limpas, então não vês o problema diretamente, no entanto na Alemanha e no resto do mundo o desperdício de resíduos e a quantidade de plástico que não é reciclado é enorme e são encaminhados para outros continentes, como África. Temos de perceber que a urgência na regra dos três R's é na Redução e Reutilização, porque a Reciclagem não é suficiente".    

Desde setembro de 2019, Andreas já recolheu quase 650 quilos de lixo em Portugal, dos quais 600 foram até ao início do surto de covid-19. "Com o coronavírus a limpeza teve de parar, mas deu para planear a caminhada e com certeza vem aí uma enorme quantidade de lixo para apanhar".
Desde setembro de 2019, Andreas já recolheu quase 650 quilos de lixo em Portugal, dos quais 600 foram até ao início do surto de covid-19. "Com o coronavírus a limpeza teve de parar, mas deu para planear a caminhada e com certeza vem aí uma enorme quantidade de lixo para apanhar".

Vive numa carrinha por causa do preço das casas

O "alto custo de vida em Lisboa" fez com que fosse morar na sua carrinha, na qual tinha viajado desde a Alemanha. "Os salários portugueses são muito baixos e as rendas estão muito altas, é muito difícil viver assim, então já que tinha a carrinha decidi morar nela e poupar esse custo. Não fazia sentido morar num apartamento". 

Durante um ano saiu da carrinha todas as manhãs de fato vestido para o trabalho. Aproveitava o ginásio para tomar o banho matinal e os colegas achavam piada ao estilo de vida "cada vez mais minimalista". Quanto mais se movia de casa às costas pela costa portuguesa, mais conectado se sentia à natureza, "também comecei a poder surfar mais e a conhecer mais praias" mas também se deparava com um cenário menos agradável. 

"Fazia parte do meu dia-a-dia, a qualquer lado que eu fosse, encontrava lixo. No inverno as praias ficam cheias de plástico, é uma loucura a quantidade que vem do Tejo para o mar. Estamos sentados nas pranchas, no mar e conseguimos sentir e ver à nossa volta todos os dias a mesma coisa". Beatas de cigarros, embalagens, latas, recomeçou a recolher tudo o que encontrava e decidiu começar a fazer algo com a situação. 

Ver esta publicação no Instagram

WHAT? A BUTT IS NOT BIODEGRADABLE? SINGLE MOST POLLUTANT IN OUR OCEANS AND RIVERS!!! 💚🐋 A cigarette butt is made of cellulose acetate which is not biodegradable. It takes years to decompose and it got announced to be the single most plastic pollutant in our nature. In addition, it contains lots and lots of toxins which will be rinsed into the nature, water ways and ocean. Think about it.. Smoking is your choice, but why to pollute actively nature? It ends up in fish and you'll eat it again. Yommy. Get yourself a pocket ashtray and carry them to a bin. Thank you! 💚🐋🐬🦈🌞 #wenigerplastikmüll #oceantrash #oceantreasures #trashtag #thestoryofplastic #konstanz #earthdayemcasa #ourplasticfeedback #weightliftings #vanlifestyle #vanlifefamily #vanlife #vanlifeexplorer #recycledplastic #litteract #coastalart #winaprize #turtleturtle #beachcleanup #trashart #travelpicks #vanlifestyle #beachlifestyle #planetheroes #sustainabilitymatters #stopmotion #savetheoceans #stopptdiekippenflut

Uma publicação partilhada por The Trash Traveler | Eco Tips (@thetrashtraveler) a


Em julho de 2019, participou numa iniciativa que desafiava a que se vivesse o mês inteiro sem uso de plástico. "Foi mesmo muito difícil, um mês sem plástico... ainda por cima no meu mês de aniversário! Foi um desafio enorme. Levei um abanão e pensei: estamos mesmo num mundo louco". Este foi o puxão que precisava. 

"Foi mais forte que eu, tinha de fazer alguma coisa em relação a isto. Estar sentado no escritório, em frente ao computador já não me enchia a alma. Foi então que decidi despedir-me, já que tinha umas poupanças, e dedicar-me completamente a partilhar informação e a consciencializar para o que se passa", conta ao Contacto.

Com o sol marcado no rosto e um sorriso constante, partilha que quando começou a sua jornada como The Trash Traveler, em setembro de 2019, não havia um plano definido. Nas primeiras semanas criou uma página no Instagram para começar a partilhar conteúdos com dicas ecológicas. "Sou uma pessoa muito alegre e mente aberta e não quero que as pessoas se sintam julgadas, ou ter um discurso que provoque medo e se retraiam. Então decidi começar a criar canções com o meu ukelele que fossem cómicas mas passassem uma mensagem positiva", explica.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.


Ri-se quando se lhe pergunta como é que se mantém uma vida assim. "Que boa pergunta", responde. "No início, como não sou um homem de negócios, apercebi-me que isto seria a parte mais difícil para mim, encontrar fundos. "Encontrar formas de sensibilizar as pessoas é fácil, mas encontrar dinheiro para o fazer não é". 

Chegou a ter um projeto como consultor numa empresa em modo freelancing, que lhe permitiu sobreviver. Mas no inverno o trabalho não se manteve e com o crescimento da plataforma e comunidade que tem criado, foi conseguindo pequenos trabalhos na área da ecologia.

 Os vídeos com canções atrairam várias pessoas e tornaram-se uma constante forma de sensibilização ecológica, já chegou mesmo a escrever canções para outros projetos e associações. E "felizmente já consegui cooperação e parcerias com várias organizações em Portugal que têm a mesma missão que a minha. Foi daí que surgiu este projeto da caminhada", acrescenta.

Percorrer as praias de Portugal

Segundo o jovem de 32 anos, sensibilizar as pessoas no dia-à-dia é bom, mas é preciso mais ação e com mais impacto. "Foi assim que decidi: ok eu vou caminhar a costa toda de Portugal em dois meses e durante estes dois meses além de limpar a costa e de partilhar informação, vou criar parcerias que permitam este projeto crescer e ganhar mais força".

Para apoiar o projeto que irá ser documentado com uma equipa de filmagem, existe uma campanha de angariação de fundos. Vão ser 832 quilómetros de caminhada com o suporte de veículos para a recolha do lixo que se vai dando ao longo da aventura. A caminhada não se vai dar sozinha, "quero que as pessoas se juntem a mim, que possamos criar comunidade e fazer algo bom em conjunto, porque é um problema que afeta toda gente, há iniciativas incríveis em Portugal e devemos unir-nos por um bem maior". 

A aventura começa no dia 15 de agosto e tem um itinerário e calendário a seguir. 

No final, pretende mostrar a quantidade de resíduos recolhidos e aproveita-los para novos fins. "Vai ser uma montanha de lixo e por isso é que já tenho o apoio de várias organizações ambientais e de artistas portugueses que trabalham com este tipo de materiais".


A sua ligação à natureza e a consciência ecológica já vieram com ele ao mundo. Aos quatro anos perguntou à mesa se a comida que tinha no prato era um animal, quando a mãe lhe respondeu que sim, pediu-lhe se podia deixer de comer animais, tornando-se a partir daí vegetariano. "Tenho sorte de ter uma família que me deixou crescer num ambiente consciente, mas o respeito pela Natureza e por todos à minha volta já veio desde sempre comigo", comenta.


Mascaras no Chão. Luxemburgo apela ao civismo dos residentes
Contra as dezenas de máscaras descartáveis espalhadas no chão, a capital decidiu pedir civismo aos habitantes.


"Eu acredito que não temos todos de ser perfeitos, mas se todos tentarmos contribuir um bocadinho já é incrível. Podemos todos tentar ser imperfeitamente perfeitos", ri-se. Andreas está preocipado porque com a crise ligada à covid-19, surgiu ainda um desafio extra ao planeta. "Agora temos um novo problema, as máscaras estão em todo lado". 

 "A sério, não adianta metade da população ter comportamentos ao nível da perfeição e a outra metade não fazer nada. Estamos numa altura de emergência ambiental". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.