Escolha as suas informações

Jo Johnson. Irmão de Boris Johnson renuncia ao governo e ao Parlamento britânico
Sociedade 05.09.2019

Jo Johnson. Irmão de Boris Johnson renuncia ao governo e ao Parlamento britânico

Jo Johnson. Irmão de Boris Johnson renuncia ao governo e ao Parlamento britânico

Pa/PA Wire/dpa
Sociedade 05.09.2019

Jo Johnson. Irmão de Boris Johnson renuncia ao governo e ao Parlamento britânico

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
O irmão mais novo do primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou esta quinta-feira a sua demissão como secretário de Estado e deputado, alegando um conflito entre a "lealdade familiar e o interesse nacional".

"Foi uma honra representar Orpington durante nove anos e servir como secretário de Estado sob a liderança de três primeiros-ministros", começa por referir no tweet. 

"Nas últimas semanas tenho estado dividido entre a lealdade familiar e o interesse nacional — é uma tensão irresolúvel e é tempo para outros assumirem as minhas funções enquanto deputado e secretário de Estado”.

Jo Johnson, de 47 anos, é deputado desde 2010 e fez parte dos governos de David Cameron e Theresa May, mas demitiu-se deste último em divergência com a política para o 'Brexit', passando a defender um novo referendo para desbloquear a questão.  

Na altura criticou a direção das negociações, as quais qualificou como "um erro terrível" porque deixariam o Reino Unido enfraquecido economicamente e sem direito de voto sobre as regras europeias que teria de cumprir.

A família de Boris Johnson é ativa politicamente, sendo o pai, Stanley Johnson, igualmente membro do partido Conservador e um antigo eurodeputado que fez campanha pela permanência do Reino Unido na União Europeia no referendo de 2016.

A irmã Rachel Johnson concorreu sem sucesso pelo partido independente pró-europeu Change UK nas eleições europeias de 2019, depois de passagens como militante pelo partido Conservador e Liberais Democratas.

O Brexit

Os britânicos decidiram sair da UE com 52% dos votos no referendo realizado em 2016. Inicialmente previsto para ser concluído em março passado, o Brexit foi por duas vezes adiado devido à rejeição do Parlamento britânico ao Acordo de Saída negociado pela então primeira-ministra, Theresa May, que se demitiu a 24 de maio.

Boris Johnson foi o seu sucessor, chegando ao poder a 24 de julho, com a garantia de que ia tirar o país da UE em 31 de outubro - com ou sem acordo.



Com Lusa


Notícias relacionadas