Escolha as suas informações

Infecciologista. "Os vacinados podem ser infetados, mas não ficam doentes"
Sociedade 2 min. 10.02.2021 Do nosso arquivo online

Infecciologista. "Os vacinados podem ser infetados, mas não ficam doentes"

Infecciologista. "Os vacinados podem ser infetados, mas não ficam doentes"

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 10.02.2021 Do nosso arquivo online

Infecciologista. "Os vacinados podem ser infetados, mas não ficam doentes"

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
O infecciologista Jorge Atouguia explica as infeções após a vacinação e porque é necessário continuar a usar máscara mesmo depois de receber a vacina.

Na Alemanha, 14 idosos de um lar em Belm, na Baixa Saxónia testaram positivo para a nova variante inglesa mesmo estando já vacinados contra a covid-19. Como aconteceu? "É possível que as pessoas vacinadas possam ser infetadas, no entanto, se as vacinas forem eficazes para as variantes que provocam a infeção, elas não irão ficar doentes", graças aos anticorpos que possuem, explica ao Contacto o infecciologista Jorge Atouguia. De facto, os idosos de Belm infetados ficaram assintomáticos ou tiveram efeitos muito ligeiros.

Infecciologista Jorge Atouguia.
Infecciologista Jorge Atouguia.
Foto: DR

Contudo, existe um risco sério: o destes infetados vacinados contagiarem outras pessoas. Como transportam o vírus que para eles não representa, à partida, um perigo podem transmiti-lo a quem com eles contacta. E, isso é possível enquanto "não se se atingir a imunidade de grupo", ou seja, cerca de 60% da população de um país não possuir anticorpos para a doença.


Luxemburgo pode estar à beira da terceira vaga da pandemia
O aumento das infeções, a propagação da nova variante inglesa e as interações sociais podem conduzir a uma nova subida da curva da covid-19 com um pico em maio, alertam os cientistas.

"Até lá, mesmo quem já foi vacinado tem de continuar a usar máscara para não haver riscos de infetar outras pessoas. Enquanto a população não estiver protegida contra a covid-19, que impeça a circulação do vírus vamos estar sempre sujeitos a infeção", vinca Jorge Atouguia. Atualmente, todos temos de usar máscara, frisa o especialista português, criticando severamente os "negacionistas" das medidas de proteção e de vacinas.


DENVER, CO - JANUARY 30: Pharmacy technicians prepare doses of the Pfizer-BioNTech vaccine at a mass COVID-19 vaccination event on January 30, 2021 in Denver, Colorado. UCHealth, Colorado's largest healthcare provider, plans to vaccinate 10,000 seniors over 70 during the drive-up event this weekend.   Michael Ciaglo/Getty Images/AFP
== FOR NEWSPAPERS, INTERNET, TELCOS & TELEVISION USE ONLY ==
Luxemburgo terá seis fases de vacinação. Saiba a que fase pertence
País entra na fase 2 em março.

"As pessoas têm de se vacinar contra a covid e têm de usar máscara para proteção da sociedade. Já existem vacinas que podem travar a epidemia e quem recusar a vacinação, ficar infetado e infetar outra pessoa que morra por causa desse contágio, é um assassino", considera Jorge Atouguia.

Este infecciologista alerta também para a necessidade de uso de máscaras apropriadas para proteção das novas variantes, juntando-se aos especialistas internacionais que aconselham as máscaras FFP2. Este tipo de máscaras, "bico de pato" é a mais eficaz na filtração das partículas do coronavírus "protegendo não apenas da transmissão do vírus por quem as usa, mas impedindo também o contágio dos próprios, de fora para dentro", explica Jorge Atouguia.

Atualmente, a França, Áustria e regiões da Alemanha, como a Baviera, já tornaram obrigatório o uso destas máscaras específicas nos locais públicos e transportes de passageiros, proibindo as máscaras cirúrgicas e as de pano. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Devido às novas variantes, a Áustria tornou-se esta segunda-feira num dos primeiros países europeus em adotar as máscaras FFP2 como obrigatórias. Alemanha e França proíbem o uso de máscaras de pano em determinados espaços.
O debate sobre a utilização de máscaras de proteção marca o atual combate à pandemia da covid-19. Obrigatória para uns, nem tanto para outros, a questão tem gerado dúvidas entre a população mundial e até entre os membros da comunidade científica.