Escolha as suas informações

IKEA paga 41 milhões à família do bebé que morreu sufocado por um móvel
Sociedade 07.01.2020 Do nosso arquivo online

IKEA paga 41 milhões à família do bebé que morreu sufocado por um móvel

IKEA paga 41 milhões à família do bebé que morreu sufocado por um móvel

Foto: AFP
Sociedade 07.01.2020 Do nosso arquivo online

IKEA paga 41 milhões à família do bebé que morreu sufocado por um móvel

Teresa CAMARÃO
Teresa CAMARÃO
O acidente aconteceu em 2017 mas o IKEA só chegou a acordo com a família esta semana. Desde 2011, outras cinco crianças morreram nas mesmas circunstâncias. Quase 100 ficaram feridas.

O grupo de mobiliário sueco vai pagar 41 milhões de euros à família da criança de 2 anos que morreu sufocada, depois de uma cómoda lhe ter caído em cima. Aconteceu nos EUA em maio de 2017 mas o IKEA só chegou a acordo com os pais esta semana. 

A notícia foi divulgada pelo advogado da família ao The New York Times e posteriormente confirmada por um porta-voz dos suecos do mobiliário. 

"Apesar de nenhum acordo alterar os eventos trágicos que nos trouxeram aqui, pelo bem da família e de todos envolvidos, estamos gratos que este caso tenha tido uma resolução. Continuamos comprometidos a trabalhar para resolver questões de segurança que são muito importantes para nós, disse o porta-voz da IKEA, citado pela imprensa norte-americana. 

Chegou portanto ao fim o processo judicial aberto na sequência da queixa que o casal apresentou contra o grupo, argumentando que a marca saberia que o mobiliário é instável e que a cómoda da linha MALM teria tendência para cair sem que o produto estivesse devidamente sinalizado. 

De facto, segundo os números comunicados pelos suecos, desde 2011, morreram outras cinco crianças nas mesmas circunstâncias. O The New York Times revela que 91 crianças ficaram feridas precisamente pelo mesmo motivo. 

Não é portanto a primeira vez que o IKEA é obrigado a indemnizar famílias pela morte de menores. Em 2016, o fabricante pagou 44 milhões de euros a outras três famílias. No mesmo ano anunciou a recolha das cómodas MALM, de resto as mais populares pelo preço acessível, não só dos EUA como do Canadá.