Escolha as suas informações

Humanidade começa este sábado a consumir recursos futuros
Sociedade 3 min. 21.08.2020 Do nosso arquivo online

Humanidade começa este sábado a consumir recursos futuros

Humanidade começa este sábado a consumir recursos futuros

Foto: AFP
Sociedade 3 min. 21.08.2020 Do nosso arquivo online

Humanidade começa este sábado a consumir recursos futuros

Lusa
Lusa
Apesar da resposta mundial à covid-19 ter levado à redução da pegada ecológica da humanidade em quase 10%, esgotam-se agora os recursos existentes para o ano inteiro.

A humanidade passa a partir deste sábado, 22 de agosto, a consumir recursos de 2021, visto que já esgotou os que a Terra tinha disponíveis para este ano, segundo cálculos da organização internacional “Global Footprint Network”.

O calendário da organização dedicada à sustentabilidade, divulgado estas exta-feira, 21 de agosto, pela associação ambientalista portuguesa Zero, salienta que este ano se começa “a usar o cartão de crédito ambiental" três semanas mais tarde do que no ano passado, mas sublinha que tal se deve apenas à pandemia de covid-19 e não a planeamento e mudanças estruturais.


Estudo prevê "colapso irreversível" da civilização
De acordo com especialistas, a desflorestação mundial provocada pelo homem ameaça desencadear o colapso que pode ser irreversível num prazo de duas a quatro décadas.

A Zero lembra, em comunicado, que a resposta mundial à covid-19 levou à redução da pegada ecológica da humanidade em quase 10% e ao adiamento do Dia da Sobrecarga do Planeta, mas que ainda assim se esgotaram agora os recursos existentes para o ano inteiro, pelo que vão ser usados em 2020 os recursos naturais equivalentes a 1,6 planetas Terra.

Devido à pandemia, a redução da pegada ecológica permitiu ver “o mundo que podemos ter se agirmos no sentido de criar um futuro sustentável”, mas é preciso agora construir “um futuro onde todos possam prosperar dentro dos limites do planeta”, refere a Zero.

E esse futuro constrói-se, adianta a organização, com mudanças na forma como se produzem e consomem alimentos, na quantidade de bens que se consome, na forma de mobilidade ou nas fontes de energia utilizada.

De acordo com o comunicado, a redução da pegada de carbono para metade iria fazer com que o “cartão de crédito ambiental” só começasse a ser usado no fim de novembro (93 dias mais tarde).

E reduzir para metade a pegada ligada à mobilidade, com mais quilómetros andados a pé ou de bicicleta, faria com que o cartão só fosse acionado em setembro. O mesmo acontecendo com uma redução para metade do consumo de carne, ou a redução também para metade do desperdício alimentar.


Jovem vai caminhar 832 km da costa Portuguesa para recolher plástico
"The Plastic Hike" é uma missão de um alemão, conhecido como o "viajante do lixo", para sensibilizar o mundo sobre a proteção ambiental.

“O défice ecológico global começou no início da década de 1970. Agora, a dívida ecológica acumulada resultante é equivalente a 18 anos terrestres. Por outras palavras, o planeta necessitaria de 18 anos de regeneração para inverter os danos decorrentes do uso excessivo dos recursos naturais, assumindo que o uso excessivo seria totalmente reversível”, salienta a Zero, acrescentando que seria possível antes de 2050 consumir os recursos do ano sem ir buscar recursos futuros se em cada ano se reduzisse o défice em cinco dias.

No comunicado a associação alerta ainda para as emergências que a humanidade vive, que combinam alterações climáticas, perda de biodiversidade e pandemias de saúde humana e diz que ciência é clara quando alerta que clima, biodiversidade e saúde humana “estão totalmente integrados e interdependentes”.

E a propósito lembra que o Clube de Roma, que alerta para a gestão sustentável do sistema terrestre, apresentou no ano passado um Plano de Emergência para o Planeta, que esta semana reformulou face à pandemia de covid-19, vista como uma manifestação de a ação humana ter colocado em “rota de colisão” os sistemas humanos e os sistemas naturais.


"É impossível separarmos o ambiente da saúde e a covid-19 foi um despertar mundial para isso"
Celebra-se esta sexta-feira, 5 de junho, o Dia Mundial do Ambiente e é cada vez mais apontada a relação entre a pandemia e o impacto da ação do homem na natureza. Carmen Lima, autora do livro 'Não há Planeta B', fala sobre ela e explica como o momento de retoma económica pode ajudar a reduzir esse impacto e a melhorar a saúde global.

O novo plano do Clube de Roma identifica 10 ações que os países devem tomar na escala de uma década, como sejam, até 2030, a declaração dos ecossistemas críticos e das áreas protegidas como bens comuns mundiais e até 2050 a aprovação de uma moratória que pare a desflorestação.

E apresenta ainda outras 10 ações para os próximos 12 meses, que incluem por exemplo uma nova forma de tributação, taxando fortemente o que não é favorável para o planeta e reduzindo tributação ou não taxando o que é favorável.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas