Escolha as suas informações

Há menos alunos e professores de português na Alemanha, alerta sindicato
Sociedade 2 min. 11.11.2021 Do nosso arquivo online
Ensino

Há menos alunos e professores de português na Alemanha, alerta sindicato

Ensino

Há menos alunos e professores de português na Alemanha, alerta sindicato

Foto: Gerry Huberty
Sociedade 2 min. 11.11.2021 Do nosso arquivo online
Ensino

Há menos alunos e professores de português na Alemanha, alerta sindicato

Lusa
Lusa
Hamburgo concentra o maior número de portugueses, cerca de 16 mil, mas o número de alunos e professores que frequentam os cursos de Língua e Cultura Portuguesas tem vindo a baixar. São agora sete os docentes, quando há dez anos eram o dobro.

O Sindicato dos Professores nas Comunidades Lusíadas (SPCL) alertou esta quinta-feira para a contínua diminuição do número de alunos e professores de português na Alemanha, apontando a região consular de Hamburgo, onde há uma maior presença da comunidade portuguesa.

Em declarações à Lusa, Teresa Duarte Soares, secretária-geral do SPCL, referiu que, apesar de o estado federado de Hamburgo ser aquele com o maior número de portugueses em todo o país, cerca de 16 mil pessoas, o número de alunos e professores que frequentam os cursos de Língua e Cultura Portuguesas tem vindo a baixar. São agora sete os docentes, quando há dez anos eram o dobro, especificou.

“Os professores têm alunos de 4,5,6 classes diferentes dentro da aula, o que é uma péssima qualidade de ensino. Claro que os alunos ficam desmotivados, tal como os pais e os professores, porque isso não é trabalho que um profissional possa fazer”, lamentou a dirigente sindical.

Solução passa por um ensino “gratuito e de qualidade"   

Teresa Duarte Soares reuniu-se esta quinta-feira, pela primeira vez, com o novo Cônsul de Portugal em Hamburgo, Vasco Seruya, a quem expôs estes problemas. A solução passa por um ensino “gratuito e de qualidade para todos os alunos”, defendeu.

“Este ensino é público, não se pode andar a cobrar dinheiro aos portugueses e a dar ensino gratuito aos estrangeiros. Também expliquei porque é que o português não é língua curricular (…) No caso da Alemanha, os lugares já estão ocupados pelo inglês, francês, e às vezes o espanhol. Ninguém vai tirar essas línguas para lá pôr o português”, constatou.

A secretária-geral do SPCL admite que o Governo alemão disponibiliza, em vários casos, salas de aulas e restantes condições físicas para que o português possa ser lecionado. Resta ao Estado português fazer a sua parte, acrescentou.

“Não se pode estar a contar com aquilo que os outros, neste caso as entidades alemãs, fazem (…) Não é apenas dizer que o português é a quinta ou sexta língua mais falada do mundo, isso não interessa nada se não se fizer nada. Isso passa também por investir economicamente para divulgar a nossa língua”, frisou.

A situação “é insustentável” e deve ser corrigida “o mais rápido possível”, alertou Teresa Duarte Soares. Nesta altura, as propinas são de 100 euros por ano, podendo o montante ser reduzido conforme a situação familiar.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Os coordenadores do ensino do português na Alemanha consideram que a falta de motivação dos alunos pela aprendizagem da língua portuguesa deve-se ao desconhecimento das vantagens do idioma e à falta de incentivo de alguns professores de alemão.
Há 2.781 alunos inscritos nas aulas de Português no Luxemburgo para o ano lectivo 2016/2017, 1.536 no ensino integrado (na escola pública luxemburguesa) e 1.245 no ensino paralelo, segundo dados avançados ao CONTACTO por Joaquim Prazeres, responsável pela Coordenação do Ensino do Portugês no Grão-Ducado.
A poucos dias do início das aulas estavam inscritos 1.536 alunos nos cursos integrados de português e 1.245 nos cursos paralelos