Escolha as suas informações

Há falta de educadores no Luxemburgo. Governo tenta encontrar solução
Sociedade 10.06.2021

Há falta de educadores no Luxemburgo. Governo tenta encontrar solução

Há falta de educadores no Luxemburgo. Governo tenta encontrar solução

Foto : Anouk Antony
Sociedade 10.06.2021

Há falta de educadores no Luxemburgo. Governo tenta encontrar solução

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Não é um facto que se deva à pandemia, já que o ministro da Educação, Claude Meisch, disse esta terça-feira, no Parlamento que já em 2019 se tinha chegado a essa conclusão alarmante.

Há uma penúria de educadores no Grão-Ducado. Não é um facto que se deve à pandemia, já que o ministro da Educação, Claude Meisch, disse esta terça-feira, no Parlamento que já em 2019 se tinha chegado a essa conclusão alarmante.

Segundo um estudo levado a cabo pela Universidade do Luxemburgo, em 2019, ou seja antes da crise sanitária, houve 801 ofertas de emprego nessa área. Mas apenas 139 estudantes concluíram a formação de educador nesse mesmo ano. Números que confirmam que há mais procura do que oferta nesse setor social.

A evolução da população e o facto de pai e mãe terem uma vida profissional faz com que sejam precisos cada vez mais educadores no país. Em média, são necessários cerca de 250 educadores suplementares por ano apenas para o acolhimento de crianças em creches e estruturas de acolhimento extracurricular (maison relais).

A solução passa, segundo Claude Meisch, por permitir aos alunos que obtêm o seu diploma dos estudos secundários na área das ciências sociais poderem fazer a formação de educador em apenas um ano.

Há atualmente mais de três mil alunos a estudar nessa área. Um número considerável, segundo Meisch, e que não deve ser desprezado, uma vez que poderia ajudar a colmatar a penúria de educadores no país.

Mas o projeto de reforma do Ministério da Educação não conta com o apoio de vários sindicatos (SEW, APCCA e APESS). Estes consideram que esta proposta do Governo representa uma perda de qualidade na formação dos educadores, defendendo que estes alunos ainda não têm as competências teóricas e práticas necessárias para exercer o trabalho de um educador.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Os números são claros: apenas 11% dos alunos portugueses chegam ao ensino clássico, diz o estudo "Bildungsbericht 2015", apresentado na quinta-feira pelo ministro da Educação, Claude Meisch. O estudo levado a cabo pela Universidade do Luxemburgo aponta ainda a diversificação linguística nas escolas do Grão-Ducado como uma das questões que continua a preocupar o Governo.
Claude Meisch