Escolha as suas informações

Há cinco anos que não havia tantos médicos a pedir para exercer no Luxemburgo
Sociedade 20.06.2022
Luxemburgo

Há cinco anos que não havia tantos médicos a pedir para exercer no Luxemburgo

Luxemburgo

Há cinco anos que não havia tantos médicos a pedir para exercer no Luxemburgo

Sociedade 20.06.2022
Luxemburgo

Há cinco anos que não havia tantos médicos a pedir para exercer no Luxemburgo

Diana ALVES
Diana ALVES
A ministra da Saúde, Paulette Lenert, avança que, no ano passado, 491 médicos fizeram o pedido para poder etrabalhar no país.

É um número revelado pela ministra da Saúde. No ano passado, o Luxemburgo contabilizava um total de 3.418 médicos. São especialistas, generalistas, veterinários e dentistas e trabalham em consultórios, hospitais, empresas privadas ou para o Estado. Segundo Paulette Lenert, daquele total, 1.668 são especialistas.

Questionada pelo deputado Mars Di Bartolomeo, Paulette Lenert avança que, no ano passado, 491 médicos fizeram o pedido para poder exercer no Luxemburgo. É o número mais elevado dos últimos cinco anos.


Até um ano e meio de espera para fazer uma mamografia no Luxemburgo
O tempo de espera por uma consulta para uma mamografia feita por iniciativa própria aumentou nos últimos dois anos. Ministra garante que exames pedidos com urgência pelo médico não têm atraso.

Porém, nem todos obtêm luz verde. Em 2021, 355 clínicos viram o seu pedido ser aprovado. É também o número mais elevado desde 2017.Na resposta ao deputado socialista, a ministra da Saúde não comenta os números. A falta de médicos e outros profissionais da saúde qualificados é um problema conhecido, com o país a depender fortemente da mão de obra estrangeira, sobretudo transfronteiriça.

Na questão parlamentar dirigida a Paulette Lenert, Mars Di Bartolomeo perguntava qual a origem dos clínicos que pediram para exercer no Grão-Ducado. Segundo Lenert, o Ministério da Saúde não dispõe desses dados.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Um em cada cem infetados no Luxemburgo morre da covid-19, o que representa uma taxa de letalidade de 1,2%. O Grão-Ducado é um dos países europeus com a taxa de letalidade mais baixas. Em Portugal, morre o dobro da percentagem registada no Grão-Ducado.