Escolha as suas informações

Grupo de arquitetos quer recongelar o Ártico com peças de "lego".
Sociedade 4 1 2 min. 22.07.2019

Grupo de arquitetos quer recongelar o Ártico com peças de "lego".

Grupo de arquitetos quer recongelar o Ártico com peças de "lego".

Foto: Shutterstock
Sociedade 4 1 2 min. 22.07.2019

Grupo de arquitetos quer recongelar o Ártico com peças de "lego".

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Submarinos "especiais" vão produzir peças de gelo hexagonais.

Recongelar o Ártico, a partir de submarinos construídos para o efeito, foi a proposta de três arquitetos no concurso internacional, organizado pela Associação de Arquitetos Siameses (ASA, sigla inglesa, que agrupa os 3.000 arquitetos que trabalham na Tailândia). A ideia conquistou o segundo lugar. 

Este ano, o 'briefing' sobre sustentabilidade. Os concorrentes tinham de apresentar ideias que, de alguma forma, ajudar a proteger o ambiente. Faris Rajak Kotahatuhaha, Denny Lesm Ana Budi e Fiera Alifa apresentaram um protótipo de submarino que é capaz de produzir peças de gelo hexagonais. Deram-lhes o nome de "bebés de gelo". A reflorestação de regiões tropicais e subtropicais, que ajuda a manter o equilíbrio nessas zonas, foi uma das inspirações do trio. Veja o vídeo. 

O Ártico enfrenta um aumento preocupante da temperatura - entre ou 3 e 5 graus centígrados até 2050 - segundo documento apresentando na IV Assembleia da ONU para o Meio Ambiente, realizada no Quénia. Estes valores podem originar a emissão de mais gases com efeito de estufa, diminuir a refração dos raios solares (o branco das calotes tem o efeito de refletir os raios do Sol) e aumentar a acidificação e contaminação dos oceanos. 

O cenário atual também já afeta as espécies do Ártico. Em "O Nosso Planeta", série documental da Netflix, apresentada por David Attenborough, revelou que a comunidade de morsas está a matar-se por causa do aquecimento global. O degelo obriga-as a dar à costa e, para se protegerem, sobem aos penhascos. Quando estão com muita fome, atiram-se ao mar e morrem da queda. Evitar que o cenário se torne ainda pior é o objetivo do projeto arquitetónico.

O processo de "re-iceberg-ização" é simples. O submarino tem 15 metros de diâmetro e está apto a trabalhar em qualquer clima. Flutua como um barco mas vai ao fundo para recolher água que, em seguida, passa por um processo de dessalinização e posteriormente, de congelação.  O processo de dessalinização é essencial para haver congelamento, a água salgada só congela a 20 graus negativos, muito abaixo da água sem sal. 

Ao fim de um mês, a peça de gelo com forma hexagonal é lançada ao mar. Graças a este formato, cada bloco pode encaixar-se.  



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.