Escolha as suas informações

Grávidas e bebés vegetarianos devem tomar vitaminas, recomenda a DGS
Sociedade 2 min. 16.10.2019

Grávidas e bebés vegetarianos devem tomar vitaminas, recomenda a DGS

Grávidas e bebés vegetarianos devem tomar vitaminas, recomenda a DGS

Foto: Shutterstock
Sociedade 2 min. 16.10.2019

Grávidas e bebés vegetarianos devem tomar vitaminas, recomenda a DGS

Especialistas dizem que a alimentação vegetariana durante o primeiro ano de vida é possível, mas avisam que “quanto mais restritiva for a dieta maior o risco de carências nutricionais.

A Direção-geral da Saúde recomenda suplementos de vitaminas e minerais para bebés e grávidas com alimentação vegetariana e lembra que a dieta não omnívora no primeiro ano de vida deve estar sempre sob supervisão médica.

“A existência de um número crescente de progenitores que praticam e pretendem que o lactente pratique outras dietas, nomeadamente vegetarianas, leva à necessidade de saber adequar, com a máxima segurança possível, a alimentação do lactente a uma alimentação não omnívora”, recordam os autores das linhas de orientação para profissionais sobre a alimentação saudável dos 0 aos 6 anos.


O cozinheiro da floresta no Luxemburgo
René Mathieu foi chefe de cozinha do Palácio grão-ducal. Agora, está à frente do terceiro melhor restaurante de vegetais do mundo.

Os especialistas dizem que a alimentação vegetariana durante o primeiro ano de vida é possível, mas avisam que “quanto mais restritiva for a dieta maior o risco de carências nutricionais com repercussão no crescimento, maturação e desenvolvimento” e defendem que "deve ser estritamente cumprida a suplementação vitamínica e mineral recomendada”.

O défice em vitamina B12, “associado a compromisso irreversível do desenvolvimento cerebral, do crescimento e ainda à anemia megaloblástica”, e a carência de vitamina D e cálcio, “que compromete o crescimento e a saúde óssea e o desenvolvimento muscular”, e de ferro, associada ao desenvolvimento neuro-cognitivo e motor, são algumas das limitações a ter em conta.

Num recém-nascido/lactente, filho de mãe vegetariana, a realizar aleitamento materno, “deve ser rigorosamente vigiada a suplementação materna em vitaminas e minerais, bem como efetuada suplementação ao lactente”, aconselham.

“É uma opção que carece de alguns cuidados, pode ter risco e deve ser acompanhada devidamente pelo profissional de saúde. É muito importante que a gravidez seja vigiada, aliás, um dos requisitos para a gravidez saudável é a sua vigilância”, considera a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Em declarações à agência Lusa, a responsável sublinha que os primeiros 1000 dias de vida – desde a conceção até ao final do segundo ano de idade - é uma altura “extremamente exigente do ponto de vista nutricional”.


Nicolas Decloedt, o melhor chefe vegan do mundo. “No nosso mundo ocidental, ser vegetariano é ser progressista”
Trabalha mais de 18 horas por dias. É chefe do, recentemente votado, o melhor restaurante vegan do mundo. Começou a sua carreira em restaurantes que serviam carne e peixe, numa altura que já era vegetariano. Contou ao Contacto as razões que o levam a cozinhar.

Os autores destas linhas orientadoras para profissionais de saúde educadores recomendam ainda que, quando inicia outros alimentos além do leite materno, a criança deve ter uma oferta variada, de preferência sem açúcar nem sal, e em doses pequenas, e que a refeição não deve ser prolongada além dos 30 minutos.

Para as crianças nos primeiros anos de vida, mais do que o valor energético total, importa o adequado aporte em micronutrientes e a aprendizagem dos hábitos e comportamentos que condicionam o consumo alimentar ao longo da vida, recordam.

Em caso de dúvida, aconselham, “a Roda da Alimentação Mediterrânica é um bom guia do que deverá ser ofertado às crianças”.


Veganismo: apenas uma questão de saúde ou de direitos dos animais?
A cidade de Esch-sur-Alzette acolheu a conferência internacional sobre os direitos dos animais entre 6 a 9 de setembro. O encontro centrou-se em temas como o veganismo e o ativismo em defesa e proteção dos animais.

Os especialistas recomendam ainda a prática de atividade física desde cedo, combatendo o sedentarismo, a defendem que os aparelhos eletrónicos “nunca devem ser usados durante a refeição, nem durante os dois primeiros anos de vida”. Após o 3.º ano de vida, a sua utilização lúdica e educativa deve ser excecional e não ultrapassar uma hora diária.

Lusa