Escolha as suas informações

Governo pretende estender à Suíça programa de ensino complementar de português
Sociedade 3 min. 27.02.2019 Do nosso arquivo online

Governo pretende estender à Suíça programa de ensino complementar de português

Governo pretende estender à Suíça programa de ensino complementar de português

Foto: Guy Jallay/Luxemburger Wort
Sociedade 3 min. 27.02.2019 Do nosso arquivo online

Governo pretende estender à Suíça programa de ensino complementar de português

No Grão-Ducado existem três variantes do ensino de português: o ensino complementar, o paralelo e o integrado.

O governo português assumiu esta terça-feira a pretensão de estender à Suíça e a outros países o programa de ensino complementar de português, atualmente a ser desenvolvido no Luxemburgo e na África do Sul. 

 A instituição do ensino complementar de português na Suíça, onde reside uma grande comunidade portuguesa, é pretendida visto que "a oferta do ensino da língua portuguesa está colocada ao nível dos cantões, o que exige uma diversidade, não apenas do ponto de vista dos conteúdos e das metodologias de ensino da língua portuguesa, mas também uma diversidade muito significativa, porque tem de ser de vários níveis para corresponder à diversidade linguística e administrativa que ocorre na Suíça", acrescentou.  

"O Estado português tinha uma resposta de ensino integrado e também de Língua de Herança. Temos vindo a trabalhar concomitantemente nestas duas dimensões do trabalho ao nível da promoção e defesa da língua portuguesa, nomeadamente do ensino básico ao secundário”, referiu José Luís Carneiro, na audição na comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades Portuguesas.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, realçou no parlamento que "a experiência no Luxemburgo vai ter bons resultados", pelo que se está a estudar a possibilidade de instituir o ensino complementar noutros países.  

Português: Ensino complementar, paralelo e integrado no Luxemburgo 

No Grão-Ducado existem três variantes do ensino de português: o ensino complementar, o paralelo e o integrado. Para além destas, o português é ensinado como disciplina opcional em quatro liceus no país, desde o arranque o ano letivo em setembro de 2018. Estas aulas de iniciação à língua e cultura portuguesas estão disponíveis nos liceus de Bonnevoie, Alyne Mayrisch, Vauban e o Lycée des Garçons em  Esch-sur-Alzette.

O ensino complementar é uma oferta dentro do ensino luxemburguês que foi criado para colmatar o fim dos dos cursos integrados em algumas escolas. Faz parte do sistema de educação luxemburguês, apesar de as aulas serem lecionadas fora do horário letivo. O conteúdo dos cursos segue, no entanto, o plano de estudo de educação nacional.  Não é necessário o pagamento de uma propina extra. O memorando de entendimento entre Portugal e o Luxemburgo para este tipo de ensino foi assinado em abril de 2017. 

Nos cursos integrados (ainda ativos em algumas instituições) algumas disciplinas são lecionadas em português, fazendo parte do plano curricular e dos horários letivos. Já na modalidade do ensino paralelo, o português é ensinado à parte do sistema luxemburguês mediante o pagamento de uma propina extra.

Atualmente há 2.970 alunos inscritos nos cursos de português: 1.348 no ensino paralelo, 1.036 no integrado e 586 no complementar.  

O projeto no Luxemburgo será consubstanciado numa "edição para demonstrar os resultados que tem vindo a ter, nomeadamente nas metodologias e as abordagens que foram introduzidas nesta modalidade de ensino e, avaliada que esteja", poderá ser levada a outros países, disse o secretário de Estado no Parlamento. 

Particularmente, o governante salientou o caso de sucesso de Esch-sur-Alzette (a segunda maior cidade do Luxemburgo onde residem milhares de portugueses) que só no ano ano letivo passado teve 540 alunos no ensino complementar. 

No presente ano letivo, a rede do Luxemburgo conta também com 25 professores (um do pré-escolar, 20 do 1.º ciclo do ensino básico e quatro dos 2.º, 3.º ciclos do ensino básico e secundário).

Com Lusa


Notícias relacionadas