Escolha as suas informações

Governo belga espera ondas de contaminação "durante um ano, dois anos ou três"
Sociedade 2 min. 25.11.2021
Covid-19

Governo belga espera ondas de contaminação "durante um ano, dois anos ou três"

Covid-19

Governo belga espera ondas de contaminação "durante um ano, dois anos ou três"

Foto: Marijan Murat/dpa
Sociedade 2 min. 25.11.2021
Covid-19

Governo belga espera ondas de contaminação "durante um ano, dois anos ou três"

Redação
Redação
Para o ministro da Saúde, o vírus veio para ficar. "Não nos podemos ver livre do vírus. Este é um facto doloroso", disse no Parlamento.

O Ministro da Saúde belga, Frank Vandenbroucke, descreveu na quarta-feira na Câmara dos Deputados um cenário pouco animador. "Estas serão semanas muito difíceis. Esperemos que por volta do Natal haja um pouco mais de certezas", disse o governante durante o debate parlamentar sobre a eficácia da lei anticovid em vigor. 

Não há fim à vista. "Não nos podemos livrar do vírus. Este é um facto doloroso. É mesmo possível que durante um ano, dois anos, três anos, vivamos numa situação em que haverá ondas de contaminação que nos farão depender da vacinação e de outras medidas". A culpa, explica ele, reside na variante Delta que ultrapassou todas as previsões. Tem "um nível de contágio tal que nos surpreende e nos prega partidas", referiu.

O tom de alarme parece ir ao encontro da preocupação generalizada entre a comunidade política, que já tinha apelado ao primeiro-ministro, Alexander De Croo, para que assuma mais responsabilidade. Muitas vozes têm considerado que as medidas tomadas a 17 de novembro estão a revelar-se insuficientes para travar o vírus.  

Na Bélgica o uso de máscaras é obrigatório a partir dos 10 anos e o teletrabalho será obrigatório quatro dias por semana até 12 de dezembro, sempre que possível. 


O primeiro-ministro belga Alexander De Croo anunciou as novas medidas na quarta à noite.
Teletrabalho volta a ser obrigatório na Bélgica
Uso generalizado da máscara também regressa e esta passa a ser obrigatória a partir dos 10 anos de idade. Taxa de hospitalizações está a atingir níveis que já não registava desde maio.

Mas a par com a situação geral na Europa, os casos de infeção têm aumentado no país nas últimas semanas. Recentemente um especialista belga em doenças infeciosas, Nathan Clumeck, apelou à vacinação obrigatória no país num artigo de opinião para que se considere seriamente a vacinação obrigatória. "Vamos preparar-nos para a quinta vaga impondo a vacinação aos maiores de 55 anos", disse, afirmando que este é o preço a pagar "pela Flandres por ser demasiado tolerante".   

Desde o início da pandemia, foram administradas 17 milhões de doses da vacina contra a covid-19 na Bélgica. A pandemia matou pelo menos 26.669 pessoas no país, e registaram-se até agora 1,6 milhões de casos de infeção. 

Milhares na rua contra medidas

Apesar do cenário cada vez mais alarmante, à medida que o Natal se aproxima, milhares de pessoas saíram à rua em Bruxelas no fim de semana, para protestar contra as medidas impostas para conter o vírus. 

A marcha de protesto alinhou-se atrás de uma enorme faixa que dizia "Juntos pela Liberdade", percorrendo algumas ruas da cidade, com alguns manifestantes a protestarem também contra a vacinação, mas sem registos de violência.  


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O pico da gripe está a atacar em força no Luxemburgo, tendo sido registados 27 casos da doença só na semana do Natal, de acordo com o Laboratório Nacional de Saúde (LNS).
Sneezing and coughing into a tissue doesn't only protect your hand from sticky fluids.