Escolha as suas informações

Funcionários do Facebook assinam carta contra política de anúncios políticos
Sociedade 29.10.2019 Do nosso arquivo online

Funcionários do Facebook assinam carta contra política de anúncios políticos

Funcionários do Facebook assinam carta contra política de anúncios políticos

Dominic Lipinski/PA Wire/dpa
Sociedade 29.10.2019 Do nosso arquivo online

Funcionários do Facebook assinam carta contra política de anúncios políticos

A atual política da rede social permite que os políticos mintam nos anúncios publicados.

Centenas de funcionários do Facebook assinaram uma carta dirigida ao presidente da empresa, Mark Zuckerberg, e a outros executivos afirmando que se opõem à política da rede social que permite que os políticos mintam nos anúncios publicados.


Facebook grava e transcreve conversas dos utilizadores
A empresa de Mark Zuckerberg admite ter gravações de conversas, mas ressalva que teve a autorização dos usuários.

Segundo noticiou o New York Times hoje, mais de 250 trabalhadores assinaram a carta a pedir aos líderes daquela rede social que mudem a política que consideram ser uma "ameaça ao que o FB [Facebook] representa".

Apesar de se tratar de uma pequena fração da força de trabalho do Facebook, que tem mais de 35 mil trabalhadores, trata-se de uma rara demonstração de dissidência de funcionários, geralmente mais típica da Google e da Amazon.

A porta-voz do Facebook, Bertie Thomson, disse que a empresa aprecia que os seus funcionários expressem as suas preocupações, mas sublinhou que a empresa "continua comprometida em não censurar o discurso político".


Facebook multado em 4,48 mil milhões de euros por controlo de dados
A multa é a maior imposta por violação da vida privada dos consumidores.

A carta dos funcionários contém críticas generalizadas à política de anúncios do Facebook, incluindo dirigidas à senadora Elizabeth Warren, uma das principais candidatas presidenciais democratas.

Lusa


Notícias relacionadas

Facebook: privacidade dos utilizadores reforçada
O Facebook vai lançar, nas próximas semanas, medidas para dar mais privacidade aos utilizadores, afirmando que "percebeu claramente" que as ferramentas disponíveis "são difíceis" de encontrar e que "tem de fazer mais" para informar os utilizadores da rede social.