Escolha as suas informações

Fumo dos fogos na Austrália já deu a volta ao planeta Terra
Sociedade 2 min. 16.01.2020

Fumo dos fogos na Austrália já deu a volta ao planeta Terra

Fumo dos fogos na Austrália já deu a volta ao planeta Terra

AFP
Sociedade 2 min. 16.01.2020

Fumo dos fogos na Austrália já deu a volta ao planeta Terra

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
E já atingiu 16 quilómetros de altura na estratosfera, o que poderá ter implicações diretas nas condições climáticas globais.

O alerta foi dado pela NASA, que conseguiu traçar o percurso através de dados captados pelo satélite NOAA/NASA Suomi NPP, “o fumo foi rastreado desde as suas origens, tendo retornado à região leste da Austrália depois de ter viajado pelo mundo”. 

"Espera-se que o fumo faça pelo menos um circuito completo ao redor do globo", disse a agência espacial americana. Centenas de incêndios florestais arderam em toda a Austrália, matando pelo menos 28 pessoas e destruindo mais de 2.000 casas.   

O satélite utilizado pelos cientistas possui, segundo a NASA, cinco instrumentos científicos e é “a primeira missão de satélite a enfrentar o desafio de adquirir uma ampla variedade de dados terrestres, oceânicos e atmosféricos”, isto “enquanto se prepara simultaneamente para atender aos requisitos operacionais de previsão do tempo”.

Para além disto, o Suomi NPP poderá ser a porta de entrada para a criação de um sistema de monitorização nos EUA. O Suomi NPP observa a superfície da Terra duas vezes a cada 24 horas, uma vez durante o dia e outra de noite. Na sua órbita, desloca-se até 824 quilómetros acima da superfície do planeta, numa órbita polar, circundando-o cerca de 14 vezes por dia. O satélite envia depois os seus dados para a estação terrestre em Svalbard, na Noruega.

A Nasa disse que os incêndios recentes foram tão grandes que produziram um número "invulgarmente grande" de eventos "pirocumulonimbus" - ou trovoadas geradas pelo fogo. 

Quando esfriam, as nuvens comportam-se como se houvesse tempestade, mas sem chuva, o que facilita o caminho do fumo até à estratosfera. “Uma vez na estratosfera, o fumo pode viajar milhares de quilómetros a partir da sua fonte, afetando as condições atmosféricas globalmente”, explica a NASA.  

A Nasa observou que o fumo mudou a cor dos céus na América do Sul, e afetou dramaticamente a Nova Zelândia, onde estava "a causar graves problemas de qualidade do ar" e "escureceu visivelmente a neve no topo das montanhas". 

“Os valores do índice de aerossóis produzidos por alguns dos incêndios australianos rivalizaram com os maiores valores já registados”, escreveu a NASA.

Grandes cidades australianas, incluindo Sydney, Melbourne, Canberra e Adelaide, também sofreram níveis perigosos de qualidade do ar devido à fumaça dos incêndios florestais nas proximidades. 

Mais de 100 incêndios continuam a arder no leste do país, embora as condições mais frias nos últimos dias e as previsões de chuva tenham ajudado nos esforços de combate aos incêndios.