Escolha as suas informações

França pode impor mais restrições para conter nova vaga da covid-19
Sociedade 03.12.2021
Pandemia

França pode impor mais restrições para conter nova vaga da covid-19

Primeiro-ministro,Jean Castex, esquerda, em conferência de imprensa com o ministro da Saúde, Olivier Veran
Pandemia

França pode impor mais restrições para conter nova vaga da covid-19

Primeiro-ministro,Jean Castex, esquerda, em conferência de imprensa com o ministro da Saúde, Olivier Veran
AFP
Sociedade 03.12.2021
Pandemia

França pode impor mais restrições para conter nova vaga da covid-19

AFP
AFP
Governo vai reunir na segunda-feira para decidir que medidas tomar para conter o aumento de casos registado nas últimas semanas.

França pode estar a preparar-se para voltar a impor restrições em território nacional, à medida que os números de novos casos de covi-19 aumentam e a nova variante, Omicron, já chegou ao país

O Primeiro-Ministro, Jean Castex, anunciou que na próxima segunda-feira, 6, vai realizar-se um novo Conselho de Defesa e Segurança Nacional para fazer face à quinta vaga de coronavírus, que o próprio descreveu como "preocupante". 

"O Presidente da República, Emmanuel Macron, decidiu convocar novo Conselho de Defesa e Segurança Nacional sobre a crise sanitária para ver se há necessidade de tomar medidas adicionais", disse o Primeiro-Ministro, durante uma visita ao hospital em Angoulême. 

 "A quinta vaga da pandemia é particularmente forte", disse Castex, e os números estão a aumentar, com um "aumento de 60% em novos casos numa semana". 

Já o Ministro da Saúde, Olivier Véran, também presente, acrescentou que    "permanecemos extremamente vigilantes", numa altura em que o Instituto Pasteur prevê 3.000 pacientes por causa da covid-19 nas unidades de cuidados intensivos até meados de dezembro, em comparação com quase 2.000 atualmente. 

"Não vamos deixar que a pressão aumente demasiado" nos hospitais, disse Véran, respondendo a uma pergunta sobre um possível retorno dos controlos nos estabelecimentos abertos ao público.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.