Escolha as suas informações

França. Mais de 3.000 pessoas retiradas no sul devido a um incêndio
Sociedade 4 10.08.2022
Fogos

França. Mais de 3.000 pessoas retiradas no sul devido a um incêndio

Fogos

França. Mais de 3.000 pessoas retiradas no sul devido a um incêndio

Foto: AFP
Sociedade 4 10.08.2022
Fogos

França. Mais de 3.000 pessoas retiradas no sul devido a um incêndio

Lusa
Lusa
O fogo começou por causa de uma máquina agrícola, após um elemento metálico ter raspado no alcatrão de uma estrada, provocando faíscas.

Mais de 3.000 pessoas, habitantes de aldeias no sul de França, em Aveyron, e turistas, tiveram de ser retirados face à progressão de um incêndio que devastou pelo menos 700 hectares de vegetação, sem provocar feridos ou mortes.

O fogo começou no final do dia de segunda-feira em Massegros, no departamento de Lozère, e iniciou-se devido a um trator, alastrando-se depois para Aveyron, dirigindo-se até à vila de Mostuéjouls, observou um correspondente à AFP.

Os bombeiros atearam "fogos táticos" para queimar de forma preventiva a vegetação para deter o avanço das chamas.

As autoridades ordenaram a evacuação de toda a vila de Mostuéjouls, localizada no coração do Parque Nacional de Cévennes, perto da floresta consumida pelo fogo. O parque faz parte das zonas montanhosas de Causses e Cévennes, classificadas como Património Mundial pela Unesco.

As pessoas retiradas por precaução foram encaminhadas para câmaras municipais e escolas de municípios vizinhos. O fogo começou por causa de uma máquina agrícola, após um elemento metálico ter raspado no alcatrão de uma estrada, provocando faíscas.

Num contexto de seca, parte de uma estrada de Lozère incendiou-se, de acordo com os bombeiros. Segundo a autarquia local, mais de 600 bombeiros de vários departamentos apresentaram-se para combater o incêndio, com o apoio de meios aéreos.


Esta vista aérea mostra gado num campo seco em Lierde, a oeste de Bruxelas.
Do Luxemburgo à Suíça. Como a Europa está a viver a seca
Em Espanha, as reservas de água estão ao nível mais baixo de sempre, e na Alemanha os barcos estão a operar a uma capacidade de um quarto para evitar encalhar no leito do Reno.

No Drôme (sudeste), um incêndio florestal que deflagrou na passada sexta-feira à noite continua a progredir devastou 220 hectares e feriu três bombeiros. Outro, que se iniciou na noite de segunda-feira, destruiu 150 hectares de floresta no sul de Charente (oeste).

Em Isére (sudeste), um fogo foi controlado depois de atingir uma centena de hectares na cordilheira do Chartreuse, perto dos municípios de Voreppe e La Sure-en-Chartreuse.

Por fim, na Gironde (sudoeste), pelo menos 320 hectares de pinheiros foram destruídos, levando a retirada de várias centenas de habitantes de Hostens.

Com mais de 47.000 hectares queimados desde o início do ano, a França registou um número recorde de áreas queimadas em julho, segundo o Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (EFFIS), cuja base de dados vai até 2006.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Segundo estes dados provisórios, que incluem informação recolhida até hoje e foram obtidos com base no Sistema de Gestão de Informação de Incêndios Florestais (SGIF), arderam 23.913 hectares de espaços rurais, num total de 6.491 ocorrências, durante os primeiros sete meses do ano.
O incêndio florestal que deflagrou no sábado no concelho de Pedrógão Grande já consumiu quase 26.000 hectares de floresta, segundo o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS).
Mais de 800 operacionais que se debatem na luta contra as chamas em Pedrógão Grande