Escolha as suas informações

Festival das Migrações é o reflexo do Luxemburgo
Sociedade 37 03.03.2018 Do nosso arquivo online

Festival das Migrações é o reflexo do Luxemburgo

35e Festival des migrations / Foto: Steve EASTWOOD

Festival das Migrações é o reflexo do Luxemburgo

35e Festival des migrations / Foto: Steve EASTWOOD
Steve EASTWOOD
Sociedade 37 03.03.2018 Do nosso arquivo online

Festival das Migrações é o reflexo do Luxemburgo

Arrancou ontem mais uma edição do Festival das Migrações, das Culturas e da Cidadania, um certame que é já uma tradição no Luxemburgo. Além dos espetáculos de música e dança, gastronomia e da mostra da diversidade cultural do Grão-Ducado, o evento é palco de múltiplas conferências e debates sobre os mais variados temas.


Porém, a abertura oficial foi feita durante a tarde de sábado, com a presença do primeiro-ministro Xavier Bettel, a ministra da Família e Integração, Corinne Cahen, Mars di Bartolomeo, presidente da Câmara dos Deputados e Lydia Polfer, presidente da comuna da cidade do Luxemburgo, entre outros.

Mars di Bartolomeo dirigiu-se à plateia em luxemburguês, francês, inglês, italiano e português. Para o presidente da Câmara dos Deputados "a história do Luxemburgo é marcada pela imigração e o festival é espelho dessa história" mostrando assim a importância que o certame e que reflete a pluralidade de culturas que compõem sociedade luxemburguesa.

Antes mesmo do discurso de Xavier Bettel, Mars di Bartolomeo também assegurou que "no Luxemburgo não existe espaço para extremismos" e que o país é feito da multiculturalidade.

Mars di Bartolomeo referiu que o Luxemburgo é um país solidário, de fronteiras abertas, defensor da ideologia pró-Europa e cooperante.

VC


Notícias relacionadas

"A língua portuguesa é mais defendida no Luxemburgo", diz Maria do Rosário Pedreira
"A língua portuguesa é mais defendida no Luxemburgo", disse a escritora portuguesa Maria do Rosário Pedreira, explicando que noutras comunidades lusófonas, os descendentes de portugueses falam pouco a língua materna. A também poetisa mostrou-se agrada pelo "cuidado e respeito" que os descendentes de imigrantes portugueses têm e deu como exemplo a palestra dada durante a manhã de hoje, sábado, a alunos de vários escalões, na qual todos tinham preparado questões para lhe colocar. As declarações foram feitas ao Contacto depois da conferência inserida no Salão do Livro, inserida no Festival das Migrações, das Culturas e da Cidadania.
Maria do Rosário Pedreira diz que é uma missão escrever para crianças