Escolha as suas informações

Festa de Santo Amaro, este sábado: Cabo-verdianos já começaram a assinalar os 40 anos de independência
Sociedade 10 4 min. 17.01.2015

Festa de Santo Amaro, este sábado: Cabo-verdianos já começaram a assinalar os 40 anos de independência

A comunidade cabo-verdiana no Luxemburgo começou a assinalar os 40 anos de independência da antiga colónia portuguesa. Este sábado, a associação Ami ku Nhos organizou na cidade do Luxemburgo a festa de Santo Amaro, a primeira actividade do programa anual que os cabo-verdianos vão levar a cabo no grão-ducado.

A comunidade cabo-verdiana no Luxemburgo começou a assinalar os 40 anos de independência da antiga colónia portuguesa. Este sábado, a associação Ami ku Nhos organizou na cidade do Luxemburgo a festa de Santo Amaro, a primeira actividade do programa anual que os cabo-verdianos vão levar a cabo no grão-ducado.

“A festa de Santo Amaro abre o grande calendário que a Federação das Associações Cabo-Verdianas no Luxemburgo (FACVL) traçou juntamente com as associações membros para 2015. Em conjunto com a Embaixada tivemos a ideia de criá-lo, de Janeiro a Dezembro”, disse ao CONTACTO João da Luz, presidente da FACVL, ressaltando ainda a dinâmica das associações no seio da federação.

"Esperamos um arranque de 2015 com uma enorme força", pois mais de metade das associações federadas estão a participar activamente nas festividades dos 40 anos da independência.

Esta primeira actividade do calendário da FACVL, aberta a todos o cabo-verdianos, mas também aos portugueses, luxemburgueses e outras comunidades, já se celebra há quatro anos no Luxemburgo e sempre num fim-de-semana próximo ao 15 de Janeiro, o dia de Santo Amaro. Perpetuar a cultura de origem é um dos objectivos da organização.

“Apresentamos a nossa cultura também para que os nossos filhos que nasceram aqui não esqueçam a nossa tradição cabo-verdiana”, afirmou Otílio Moreira, presidente da Ami Ku Nhos, organizador desta festa que consistiu numa missa na igreja de Saint Mathieu, jantar no salão contíguo Don Bosco, e depois numa noite convivial e de música em Schifflange.

O evento começou por volta das 18h, com uma missa acompanhada de música tipicamente cabo-verdiana. Para o padre Joseph Heidesch, que já conhece a comunidade lusófona há muito tempo, os cabo-verdianos “cantam muito bem e são corteses. É como deve ser”, disse ao CONTACTO o padre luxemburguês depois de oficiar a missa.

No próximo fim-de-semana as celebrações seguem com o dia de S. Vicente, no dia 24 de Janeiro, pela Associação São Vicente, e no dia 25, com o dia dos Heróis Nacionais, a cargo da Amizade Cabo-Verdiana. Uma semana depois, a 31 de Janeiro, será então a vez da Associação Estrela do Norte organizar um mini-campeonato de futsal e baile.

O ponto alto das comemorações deste ano será o dia da independência, 5 de Julho, com a participação dos cabo-verdianos em Wiltz, ao longo desse fim-de-semana. "Embaixada de Cabo Verde, Ministério luxemburguês da Cooperação e a Câmara Municipal de Wiltz organizam uma noite de solidariedade para Cabo Verde, com a cantora Maria de Barros", vincou João da Luz. Antes disso, um festival de música terá lugar em Kockelschauer nos dias 27 e 28 de Junho.

Outros dos destaques do ano, segundo o presidente da FACVL, são a jornada cultural em Ettelbruck, com artistas e stands na Grand Rue, “algo que vai agrupar muitos cabo-verdianos” e a noite de gala com fado e mornas cabo-verdianas, organizada na Câmara Municipal de Betzdorf, em Rood/Syre. Além das iniciativas anunciadas, ao longo do ano haverá espaço ainda para o desporto, Dia da Mulher, Dia da Criança, entre outras actividades.

40 anos de independência sem problemas

40 anos depois da independência, João da Luz faz uma análise positiva do país. “Em 40 anos não tivemos nenhum tipo de guerra, exercemos o direito de voto e tivemos várias legislaturas com transições partidárias sem problemas. É uma riqueza e conquista do povo cabo-verdiano”. Em relação à pobreza e dificuldades, relembrou que ainda há muito por fazer e que "Cabo Verde tem mantido a sua independência económica e nacional", disse o dirigente da FACVL, que conta com 24 associações federadas das 30 associações e grupos cabo-verdianos no Luxemburgo.

Para federar as restantes associações, João da Luz lança um apelo: “Não é possível fazer uma vida associativa e ter uma comunidade forte como a nossa sem uma federação forte, sem associações fortes”, salientando que “só a unidade é que leva a ter o sucesso que todos desejam”.

Quanto à associação Ami Ku Nhos, foi fundada há 15 anos e conta com 115 membros activos. Um dos sonhos da associação é "organizar uma grande viagem do Luxemburgo a Santiago, Cabo Verde, para ali celebrar um dia esta festa" concluiu Alfredo Moreira, antigo dirigente da associação.

O programa completo das actividades para 2015, no âmbito dos 40 anos de independência poderá ser consultado no Facebook da FACVL.

Rúben Mendes


Notícias relacionadas

Mais um caso de violência entre cabo-verdianos nos tribunais
O caso envolve quatro pessoas: dois acusados, uma vítima e uma testemunha. Os dois arguidos, de 22 anos e residentes em Wiltz, respondem à acusação de tentativa de homicídio com golpes de faca contra um jovem de Villerupt, do lado da fronteira francesa. A acusação pede uma pena de 14 anos de prisão.