Escolha as suas informações

Fake News. Desinformação é a "doença do século"
Sociedade 2 min. 19.05.2020

Fake News. Desinformação é a "doença do século"

Fake News. Desinformação é a "doença do século"

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 19.05.2020

Fake News. Desinformação é a "doença do século"

Lusa
Lusa
No início de maio a Comissão Europeia estava a registar diariamente mais de 2.700 artigos com 'fake news' relacionadas com a covid-19 nas redes sociais.

A Comissão Europeia considerou esta segunda-feira que "a desinformação é a doença do século", frisando que os esforços das plataformas digitais "nunca serão suficientes" para combater a propagação de notícias falsas na internet, e ameaçou criar regras mais apertadas.

"No que toca à desinformação, nunca vamos fazer o suficiente, esta é a doença do século", afirmou o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton. Falando num debate 'online' promovido pelo grupo de reflexão belga Centro de Regulação na Europa e no qual participou também o presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, o comissário europeu frisou que o combate às 'fake news' é, para Bruxelas, "extremamente importante para a democracia", nomeadamente em altura de pandemia de covid-19, que já provocou um aumento na propagação deste tipo de conteúdos.

"Temos cinco ou seis comissários a trabalhar nesta área e […] se as medidas em vigor não tiverem efeito, teremos de avançar para uma regulação mais reforçada", avisou Thierry Breton.


A desinformação anda mais depressa que o coronavírus
A desinformação propaga-se como os vírus biológicos, mas de forma mais rápida e alcança muito mais pessoas, segundo um estudo sobre contágio social publicado na revista científica Nature Physics.

No início de maio, a Comissão Europeia divulgou estar a registar, diariamente, mais de 2.700 artigos com 'fake news' relacionadas com a covid-19 nas redes sociais, entre publicações falsas ou enganosas. Estes dados foram transmitidos ao executivo comunitário por plataformas digitais como a Google, Facebook, Twitter, Microsoft e Mozilla, que se comprometeram no final de 2018 a combater a desinformação nas suas páginas, através da assinatura de um código de conduta contra as 'fake news', um mecanismo voluntário de autorregulação que nos últimos meses tem sido centrado na desinformação sobre a covid-19.

Para o responsável francês, as plataformas digitais como o Facebook "têm obrigação de fazer diligências" para combater a desinformação. "No final do dia, o último responsável [por conteúdos falsos disseminados] será sempre o Mark [Zuckerberg], mais ninguém", sublinhou Thierry Breton.

E exortou, por isso, a mais ação das tecnológicas, vincando ser melhor "antecipar e evitar que a Comissão tenha de intervir ao nível regulatório". 

Criador do Facebook: combate à desinformação "é batalha contínua"

Também participando no debate 'online', Mark Zuckerberg reconheceu que o combate à desinformação "é uma batalha contínua". Ainda assim, realçou os esforços do Facebook nesta matéria, indicando que existem, por exemplo, cerca de 30 mil pessoas a trabalhar na rede social para monitorizar se os conteúdos publicados pelos utilizadores "cumprem as regras".

Aqui inclui-se, de acordo com Mark Zuckerberg, uma filtragem tendo por base "20 categorias de conteúdos prejudicais", entre as quais a desinformação, a informação maliciosa e ainda a incitação ao ódio.


Facebook vai ter o seu próprio "Supremo Tribunal"
Qualquer utilizador pode recorrer a esta espécie de “Supremo Tribunal” depois de ter passado por todas as instâncias dentro da Facebook.

"Estamos a ficar melhores a detetar este tipo de conteúdos", assegurou o responsável, falando na eliminação de cerca de 15% dos conteúdos por estarem incluídos naquelas categorias. Contudo, "ainda há muito fazer", reconheceu também Mark Zuckerberg.

Já em vigor na rede social Facebook, segundo o responsável, está um sistema que, ao detetar conteúdos falsos sobre a covid-19, emite alertas às pessoas que interagiram com essas publicações (ao nível de gostos ou comentários), além de eliminar estas informações."Essa pessoa é avisada e recebe 'links' para fontes de informação credíveis" sobre a pandemia, adiantou Mark Zuckerberg.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Opinião: Não, o Facebook não pode ser o único bode expiatório
(Antes de despejar toda a raiva a propósito do meu título por favor leia esta crónica até ao fim.) Longe de mim querer desculpabilizar a maior rede social do mundo e um dos mais populares jovens bilionários do mundo. Mas ao focarmo-nos demasiado no Facebook estamos a desviar os olhares de quem também tem culpa no cartório.
Věra Jourová. “Facebook vai ser monitorizado mais de perto”
Em entrevista por e-mail, a comissária europeia para a Justiça, Consumidores e Igualdade de Género analisa a entrada em vigor, esta sexta-feira, dia 25, do regulamento geral para a proteção de dados que deve deixar os europeus mais protegidos de escândalos como o da manipulação pela Cambdridge Analytica. Admite que o Facebook envia sinais confusos acerca da sua posição sobre privacidade e fala do assassínio de jornalistas na Europa.
Vera Jourova.
Desvio de dados afetou 2.645 pessoas no Luxemburgo
O Facebook admitiu à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica. No Luxemburgo, o desvio de dados pessoais de utilizadores do Facebook poderá ter afetado 2.645 pessoas. Em Portugal foram cerca de 63 mil.
(FILES) In this file photo taken on March 22, 2018 a cellphone and a computer screen display the logo of the social networking site Facebook in Asuncion.
Up to 2.7 million people in the European Union may have been affected by the Facebook personal data scandal, the bloc announced April 6, saying they would demand further answers from the social media giant. / AFP PHOTO / NORBERTO DUARTE