Escolha as suas informações

Exames para detetar doenças. “Tempos de espera são desumanos”
Sociedade 02.12.2022
Saúde

Exames para detetar doenças. “Tempos de espera são desumanos”

A mamografia é um dos exames cujo tempo de espera é consideravelmente longo
Saúde

Exames para detetar doenças. “Tempos de espera são desumanos”

A mamografia é um dos exames cujo tempo de espera é consideravelmente longo
Foto: Klaus-Dietmar Gabbert/zb/dpa
Sociedade 02.12.2022
Saúde

Exames para detetar doenças. “Tempos de espera são desumanos”

Diana ALVES
Diana ALVES
A petição pública que reivindica um melhor acesso aos exames médicos já tem mais de 4.500 assinaturas.

Mamografia, colonoscopia, ressonância magnética e por aí fora. Milhares de pessoas querem que o acesso a este tipo de exames médicos seja melhorado. Uma petição pública, que reivindica isso mesmo, já ultrapassou as 4.500 assinaturas. Peticionários, deputados e membros do Governo vão, por isso, debater o assunto.

A petição é de Isabelle Faber e, poucos dias depois de ser lançada, já contabilizava mais de mil assinaturas. Diz que o acesso a exames como mamografias, colonoscopias ou ressonâncias magnéticas não é igual para todos e que há uma discriminação entre pacientes que já sofreram de uma doença e aqueles considerados saudáveis.


Mamografia. Tempos de espera melhoraram, mas não para todas as mulheres
Paulette Lenert apresentou os dados que demonstram uma pequena melhoria nos tempos de espera para o exame.

Falta de aparelhos não ajuda

Isabelle Faber denuncia os longos tempos de espera por um exame, que podem chegar aos 18 meses. Uma espera demasiado longa pode comprometer os esforços para detetar uma doença, acabando o paciente por pagar por isso com a própria saúde, alerta.

A autora da petição considera que, a partir do momento em que há uma suspeita de doença, o caso deve ser encarado como urgente e o exame médico deve ser feito o mais rapidamente possível. “Os prazos atuais de espera são desumanos e têm também um impacto emocional negativo nas pessoas afetadas e respetivas famílias”, acrescenta Isabelle Faber.

A autora denuncia também a falta de aparelhos para realizar exames médicos no Luxemburgo.

Porém, Isabelle Faber é da opinião que nem a aquisição de mais aparelhos resolveria o problema. Segundo a peticionária, até os prazos para simples análises de rotina são “anormalmente longos”.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas